A “neutralidade” finlandesa

Os finlandeses fazem questão de dizer que não gostam nem de Donald Trump nem de Vladimir Putin.

George HW Bush, Mikhail Gorbachev, Estados Unidos, presidente dos Estados Unidos
Foto
George Bush com Gorbatchov DR

A Finlândia teve uma longa história nas relações Leste – Oeste, durante a Guerra Fria, que trazem à memória outros momentos, nem todos bons, da relação entre Washington e Moscovo.

Com uma longa fronteira com a União Soviética (e agora com a Rússia), foi obrigada a manter um estatuto de neutralidade entre a NATO e o Pacto de Varsóvia, que limitava a sua soberania.

Durante o confronto entre as duas superpotências, a palavra “finlandização” entrou no vocabulário das relações internacionais para designar o risco que alguns países europeus corriam com a ascensão dos partidos comunistas, empurrando-os para um estatuo “neutral” ou de “terceira via”.

George Bush e Gorbatchov, o líder soviético que "descongelou" o mundo, encontraram-se lá, tal como Bill Clinton e o Boris Ieltsin.

Em 1975, os EUA, a Rússia e 33 países europeus reuniram-se em Helsínquia para assinar a chamada “Acta Final”, que garantia o respeito pelas fronteiras que dividiam as duas metades da Europa e algum espaço de respiração para os dissidentes. Willy Brandt chegou a ameaçar Brejnev de não assinar a Acta, se ele não travasse a ofensiva comunista em Portugal.

Os finlandeses orgulham-se do seu papel de “intermediários”. Garantem que só eles estavam em condições de preparar uma cimeira entre os presidentes dos EUA e da Rússia em tão pouco tempo. Mas fazem questão de dizer que não gostam nem de Donald Trump nem de Vladimir Putin.