Forças governamentais massacram centenas de civis, segundo a ONU

Os crimes ocorreram em aldeias que se encontram, alegadamente, dominadas pela oposição política daquele país.

Salva Kiir, Presidente do Sudão do Sul
Foto
Salva Kiir, Presidente do Sudão do Sul Reuters/Mohamed Nureldin Abdallah

Cerca de 232 civis foram mortos e 120 mulheres e raparigas foram violadas, entre os meses de Abril e Maio, por forças militares governamentais do Sudão do Sul e milícias alinhadas. A informação foi divulgada através de um relatório das Nações Unidas (ONU). Até ao momento, o governo do Sudão do Sul ainda não se pronunciou sobre os dados da ONU.

Os crimes ocorreram em aldeias cominadas pela oposição. A ONU já apontou três comandantes do Exército do Sudão do Sul como principais responsáveis pelos crimes, garantindo que podem vir a ser acusados por crimes de guerra. Contudo, as Nações Unidas relatam que as forças rebeldes também levaram a cabo ataques contra populações civis. Segundo o relatório, os ataques às aldeias são de uma natureza brutalmente devastadora, vitimando desde mulheres, idosos, deficientes físicos e mentais.

O alto comissário dos Direitos Humanos da ONU pede à comunidade internacional que não deixe ficar impunes os responsáveis por estes crimes."Os perpetradores não podem escapar impunes", afirmou Zeid Ra'ad al-Hussein. O alto-comissário propõe a criação de um tribunal internacional para que estes massacres sejam julgados. 

 As Nações Unidas já prometeram o envio de 150 capacetes-azuis  para o estado de Unity, no norte do país. Esta região tem sido a mais castigada pelos confrontos entre rebeldes e forças do governo.

Uma resolução para o conflito entre a oposição e o governo afigura-se cada vez mais difícil. Os rebeldes rejeitaram, na segunda-feira, um acordo de paz, que passava por reintegrar o líder da oposição Riek Machar no executivo sudanês como vice-presidente. Machar lidera uma rebelião anti-governamental, depois de ter sido demitido do cargo de vice-presidente em 2013, na sequência de uma luta pelo poder entre o Machar e o Presidente Salva Kiir. 

O confronto deixou um rasto sangrento neste jovem país africano (formado em 2012), contabilizando, desde do inicio do conflito, 300 mil mortos e três milhões de deslocados.