Michael Bloomberg vai doar 80 milhões a democratas para corrida ao Congresso

O multimilionário, que já liderou a câmara de Nova Iorque, é um grande crítico de Trump. Bloomberg quer devolver poder aos democratas já nas eleições de Novembro.

O magnata tem 76 anos e foi durante muito tempo membro do Partido Democrata
Foto
O magnata tem 76 anos e foi durante muito tempo membro do Partido Democrata Reuters/BRENDAN MCDERMID

O antigo mayor de Nova Iorque, Michael Bloomberg, vai doar 80 milhões de dólares aos candidatos democratas que em Novembro irão concorrer às eleições do Congresso. A notícia é avançada pelo New York Times nesta quarta-feira. Michael Bloomberg, crítico frequente de Donald Trump, considera que a maioria dos republicanos na Casa Branca, Senado e Câmara dos Representantes é prejudicial para o país.

“Nunca acreditei que fosse bom para o país que um partido fosse completamente excluído do poder e acredito que o último ano e meio tornou-se prova disso”, afirmou Bloomberg, num comunicado citado pela Reuters.

O fundador da empresa de comunicações Bloomberg confiou a gestão do montante a um antigo director executivo do comité de campanha do Congresso Democrata.

“Vamos ser claros: tenho vários desentendimentos com alguns democratas, principalmente aqueles que estão à espera destas eleições para pedir uma destituição [de Donald Trump]. Nada poderia ser mais irresponsável”, avaliou. “Mas acredito que o povo não pode sujeitar-se a eleger outro Congresso que não tem coragem de atravessar o corredor e a independência de exigir a sua autoridade constitucional”.

Os resultados de eleições passadas mostram que, regra geral, o partido com poder na Casa Branca perde lugares no Congresso nestas eleições, uma vez que os eleitores norte-americanos as usam para aumentar o poder do partido da oposição. Em 2010, por exemplo, os democratas perderam a maioria da Câmara dos Representantes.

Em 2016, Michael Bloomberg apoiou a candidata democrata Hillary Clinton na corrida pelas eleições presidenciais norte-americanas. No início de 2016 chegou mesmo a circular que Bloomberg ponderava também ele concorrer à Casa Branca, como uma alternativa a Donald Trump e ao senador Bernie Sanders.

O milionário é considerado pela revista Forbes a 11.ª pessoa mais rica do mundo e a 51.ª mais influente. Foi mayor de Nova Iorque durante três mandatos consecutivos, entre 2002 e 2013. Apesar de ter sido membro do Partido Democrata durante a maior parte da sua vida, Bloomberg foi eleito pelo Partido Republicano nos dois primeiros mandatos em Nova Iorque, e reeleito em 2009 como independente.

Sugerir correcção