Braço-de-ferro entre camionistas e Temer agrava clima político no Brasil

A quatro meses das eleições, os efeitos da paralisação dependem de como Michel Temer gerir a crise. “A política brasileira está jogando um grãozinho de areia todos os dias numa torre extremamente frágil.”

Muitos camiões fizeram abastecimentos com escolta
Fotogaleria
Muitos camiões fizeram abastecimentos com escolta DIEGO VARA/Reuters
Militares pedem aos camionistas que desbloqueiem as estradas. Em muitos casos os camiões ficaram em vias secundárias
Fotogaleria
Militares pedem aos camionistas que desbloqueiem as estradas. Em muitos casos os camiões ficaram em vias secundárias ADRIANO MACHADO/Reuters
O fornecimento dos supermercados foi afectado e os prejuízos para o sector foram enormes
Fotogaleria
O fornecimento dos supermercados foi afectado e os prejuízos para o sector foram enormes DIEGO VARA/Reuters

Ao sétimo dia, a greve dos camionistas mantinha centenas de pontos de bloqueio no Brasil, afectando o abastecimento de supermercados e bombas de gasolina, fazendo cancelar voos em 14 aeroportos, levando a cortes nos transportes públicos e universidades a anunciar que não haverá aulas na segunda-feira.

Alguns camiões garantiam abastecimento de gasolina para serviços essenciais sob escolta policial em vários locais, depois de o Presidente, Michel Temer, ter ordenado a intervenção de militares. As refinarias estavam também sob protecção policial e os carregamentos eram feitos sob vigilância das forças de segurança.

O Governo continuava a tentar chegar a um acordo com os camionistas, que muito penalizados com a subida dos preços do diesel (56% desde Julho passado) pedem uma isenção de imposto na compra do diesel e outros direitos, como não terem de pagar portagem quando seguem sem atrelados ou carga.

O Governo propôs medidas temporárias – a proposta mais recente é um desconto de 10% durante pelo menos dois meses – e chegou a haver um anúncio de acordo na quinta-feira, mas os camionistas têm insistido numa solução definitiva para desmobilizar.

Ainda que o número de bloqueios nas estradas tenha diminuído após a ordem de Temer mobilizar o exército, e de centenas de camiões terem sido escoltados em pelo menos sete estados e Brasília assegurando fornecimentos urgentes para hospitais e outros serviços públicos, a situação demora a regularizar-se e há ainda muitos camionistas na rua, quer a bloquear vias, quer imobilizados em protesto. A pressão subiu também sobre os líderes dos camionistas, com várias investigações da Polícia Federal à paralisação e pesadas multas para quem bloquear passagens.

Enquanto o Governo se diz optimista em relação à possiblidade de um acordo, surgiram números de prejuízos. Segundo o jornal Estado de São Paulo, os cofres públicos podem contar com menos dois mil milhões de reais (mais de 450 milhões de euros) por causa da paralisação e os supermercados estimam mais de 300 mil euros de prejuízos. A indústria pecuária foi fortemente afectada pela dificuldade em conseguir o fornecimento diário de alimentação para os animais e várias unidades suspenderam a produção, a indústria de produção de açúcar também se desacelerou enquanto as máquinas iam ficando sem combustível, e a produção de automóveis, que contribui com cerca de um quarto da produção industrial do Brasil, parou na sexta-feira.

Além dos camonistas, surge outra greve no horizonte de Temer, a greve da Petrobrás. A petrolífera estatal decretou uma paralisação “de advertência” para a próxima quarta-feira, contra uma potencial privatização da empresa e pela manutenção de preços.

Tudo isto acontece a pouco mais de quatro meses das eleições presidenciais e o ambiente político e social está muito sensível. Para o economista Eduardo Giannetti, professor na Universidade de São Paulo, o Brasil está num momento que compara ao de uma experiência com uma torre de areia quando se lança um grão para a estrutura. Pode ficar tudo como está, mas um só grão pode “fazer a torre desabar”, disse, numa entrevista à Folha de São Paulo. “A política brasileira está jogando o grãozinho de areia todos os dias nessa torre e ela é extremamente frágil.”

O poder dos camionistas é grande, sublinha Giannetti, lembrando o seu papel, por exemplo, no fim do regime de Pinochet no Chile. Este protesto tem o potencial de ser o embirão de uma “revolta tributária” alargada, em que a população deixa de aceitar a legitimidade do Governo para cobrar impostos, ou mesmo precipitar a queda de Temer ainda antes das eleições. “Não prevejo que isso aconteça, mas também não descarto”, o que dependerá do evoluir da situação e sobretudo da capacidade de Temer lidar com ela, considerou Giannetti.