Costa recoloca PS como partido charneira

A mensagem de António Costa foi clara: o PS está onde sempre esteve e é o partido do “diálogo político alargado”. O líder do PS avisou que é cedo para discutir programas eleitorais e afirmou o partido como defensor de valores e pluralista.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

 Foi com um discurso a puxar à identidade do PS, recolocando-o como partido central do sistema político — partido charneira (a vetusta expressão usada pelo líder-fundador, Mário Soares) entre a esquerda e a direita —, que o secretário-geral do PS, António Costa, abriu esta sexta-feira o 22.º Congresso do PS, na Batalha.

A sala já aquecera o motor da emoção militante assistindo a um longo documentário de homenagem a Mário Soares, falecido a 7 de Janeiro de 2017, já depois do último congresso. Um documentário que lembrou todos os fundadores e dirigentes históricos e que teve um momento de ovação a ex-líderes, iniciado quando apareceu no ecrã gigante Jorge Sampaio e se prolongou em crescendo com António Guterres, Ferro Rodrigues, José Sócrates, António José Seguro e, por fim, o actual líder.

António Costa ocupou, então, o palco da ExpoSalão para afirmar que o PS continua igual a si mesmo: “Estamos onde sempre estivemos e estaremos exactamente onde estamos”. Ou seja, nem mais à esquerda mais à direita do que antes, como quem assume que o debate ideológico é normal dentro do PS e tentar esvaziar os climas de dramatização vividos na preparação do congresso, protagonizados por Augusto Santos Silva e por Pedro Nuno Santos.

O secretário-geral garantiu mesmo que, “sendo fiel à sua identidade, o PS foi sempre um partido do seu tempo e soube assegurar a vitalidade dos seus valores”, os quais fez questão de enumerar mais de uma vez: “liberdade, democracia, igualdade e solidariedade, uma visão de integração da Europa, sem sacrificar o ser português”. A que acrescentou “uma atitude: a de procurar novas respostas, preservando os mesmos valores, em cada geração e cada época”.

Já depois de abordar em linhas gerais a sua moção de estratégia e de explicar que este congresso acontece cedo de mais para dele saírem programas eleitorais para as europeias e as legislativas, António Costa foi explícito a assumir que não vai abrir, por agora, o jogo sobre qual a estratégia de alianças no caso de o PS ganhar as legislativas. Frisou que o PS é o partido do “diálogo” com parceiros sociais, mas também com os outros partidos e rematou: “Sempre fomos defensores do diálogo político alargado e podemos orgulhar-nos de, nesta legislatura, termos acabado com a ideia do arco da governação que excluía partidos democráticos.”

Pela eutanásia 

Na abertura do congresso, Costa não deixou de lembrar que foi a “identidade” e a “cultura” do PS que permitiram em Portugal reformas e medidas pioneiras como a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, que libertou as “mulheres portuguesas da criminalização do aborto”, o reconhecimento de direitos a lésbicas e gays, dando “direito a qualquer pessoa de constituir família livremente como quiser” ou a “duas pessoas do mesmo sexo de se poderem amar, casar e ter uma família”. E frisou que na terça-feira o partido também defenderá, com o seu projecto-lei, o direito de “todos que o queiram ter uma morte digna e poder recorrer à eutanásia

Em Março, em entrevista à revista Visão, António Costa havia defendido uma coisa ligeiramente diferente, ao dizer que a legislação não deve limitar a liberdade de opção individual, embora o seu “arreigado optimismo” lhe colocasse “dificuldades em aceitar a prática da eutanásia como uma boa solução”.

Nesta sexta-feira, o primeiro-ministro socialista não esqueceu “a construção da democracia pluralista”, a criação de um “poder judicial independente” e a defesa das autonomias, para tocar numa questão central hoje e sublinhar: “Foi o PS que, no final do cavaquismo, esteve no combate à falta de transparência e contra a corrupção”. Lembrou depois “a paixão pela educação”, palavra de ordem da primeira campanha de António Guterres, em 1995, para afirmar que “o Estado tem um papel imprescindível em garantir o acesso de todos aos bens públicos” e lançar-se no compromisso de “defender e promover” o Serviço Nacional de Saúde, citando explicitamente a memória de António Arnaut.

Pompa e circunstância

O Congresso abriu ao som da marcha Pompa e Circunstância de Edward Elgar, velho hino de campanha nas presidenciais de 1985 de Mário Soares, líder-fundador e “militante n.º 1”. O pavilhão estava já praticamente cheio e os congressistas (ou)viram, em silêncio, mas também com muitos aplausos, o filme sobre Mário Soares. A homenagem destacou os momentos mais importantes da sua vida e percurso político, algumas vezes na companhia da sua mulher, Maria Barroso.

O exílio, a fundação do PS na Alemanha, o 25 de Abril, o 1.º de Maio de 1974, o processo de integração de Portugal na CEE, a campanha de 1985, com destaque para agressão de que Mários Soares e elementos da sua comitiva eleitoral foram vítimas na Marinha Grande, a luta contra a “unicidade sindical” foram outros temas passados em revista.

As imagens que passaram no longo ecrã do pavilhão da Batalha mostraram um Mário Soares determinado em dar um novo rumo a Portugal e as suas palavras traziam à memória a sua luta de muitos anos.

“Hoje estamos aqui todos em festa, esta festa deve acabar em alegria, em confraternização, amanhã temos de meter ombros ao trabalho. A partir de agora, o produto do trabalho é para aqueles que trabalham e não para os parasitas”. Estas declarações foram proferidas por Mários Soares no 1.º de Maio de 1974 e voltaram a ouvir-se na Batalha.

O documentário recordou também todos os fundadores do partido como António Macedo, Maria Barroso, Beatriz Cal Brandão e Mário Cal Brandão, Tito de Morais, entre muitos, muitos outros. António Arnaut, que morreu esta semana e que este sábado será homenageado no congresso, não foi esquecido e os congressistas dispensaram-lhe uma estrondosa salva de palmas, levantando-se em sinal de gratidão.

A parte final da vida do fundador do PS não foi esquecida. A sua última luta contra a austeridade, em pleno Governo de Passos Coelho, na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, onde defendeu a Constituição, o Estado social e o Estado de direito. E por fim, a homenagem que lhe foi prestada por António Costa, na residência oficial do primeiro-ministro. Os delegados puderam aplaudir então as imagens no ecrã do actual líder a abraçar Mário Soares. com Liliana Valente