Governo cria comissão instaladora do Centro para a Defesa do Atlântico

Equipa reúne os três ramos das Forças Armadas, Negócios Estrangeiros e governo açoriano. Tem seis meses para concluir o trabalho.

Lajes Field, Lajes, Newark, Elizabeth
Foto
Terceira vai ter Centro de Defesa do Atlântico CL CARLOS LOPES - PòBLICO

Até ao final da próxima semana, a Comissão CeDA (Centro para a Defesa do Atlântico) vai ser constituída, de acordo com a resolução do Conselho de Ministros publicada esta terça-feira, em Diário da República.

A comissão, que terá por competência a instalação do CeDA na Base Aérea n.º 4, nas Lajes, ilha Terceira, é constituída por dez elementos: quatro representantes da defesa nacional, um dos negócios estrangeiros, um representante do Estado-Maior-General das Forças Armadas, um de cada um dos três ramos das Forças Armadas (Marinha, Exército e Força Aérea) e um elemento do governo regional açoriano.

 A equipa, que está sob a dependência do Ministro da Defesa Nacional, vai ser responsável por montar e idealizar toda a estrutura, quer física, quer funcional do centro que o Governo quer ver focado na área da Defence Capacity Building e na cibersegurança.

Para isso, a Comissão CeDA vai definir a estrutura organizacional interna, quantificar as necessidades de pessoal (metade dos recursos humanos será nacional, sendo a restante oriunda de países e agências parceiras). Caberá ainda à comissão, que tem seis meses para apresentar um relatório final, definir a localização exacta da CeDA no interior da Base das Lajes.

Em Março deste ano, numa visita aos Açores, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, apontou para o edifício de uma antiga unidade de saúde da base como um local possível para o Centro. “Espero que a institucionalização possa ocorrer algures perto do fim da legislatura”, referiu o ministro na ocasião, explicando que o CeDA conta, para já, com o interesse dos Estados Unidos e do Reino Unido. A ideia, avançou, é atrair mais parceiros. “Só vai poder existir tal como foi concebida se for claramente internacional”, sublinhou Azeredo Lopes.

A instalação do CeDA na Base das Lajes é uma das medidas do Governo para atenuar o impacto negativo na economia da ilha, que a redução dos efectivos norte-americanos provocou.