O sistema de rankings transformou-se “num negócio de empresas que vivem das universidades”

Reitor da Universidade Complutense, de Madrid, Carlos Andradas considera que se criou um “ciclo vicioso” e questiona parâmetros de avaliação.

Ensino Superior, Educação, Estudante
Foto
Rui Gaudêncio

Os rankings internacionais de universidades que são publicados todos os anos não são reveladores do trabalho de facto desenvolvido nestas instituições. Este é o entendimento do reitor da Universidade Complutense de Madrid, Carlos Andradas, que assume não gostar de rankings.

Esta segunda-feira, em declarações ao PÚBLICO à margem do Quarto Encontro de Reitores Universia, que está a decorrer em Salamanca, o responsável afirmou que os rankings, como estão desenhados, “não fazem nenhum favor às universidades”. Este raciocínio é válido mesmo para as instituições que estão bem colocadas, entende, uma vez que o sistema de rankings “se transformou num negócio de empresas que vivem das universidades”.

No seu entender, gerou-se uma “espécie de ciclo vicioso em que as próprias empresas que fazem os rankings oferecem os seus serviços para melhorar” a classificação. E os parâmetros de avaliação podem ir da investigação científica ao número de prémios Nobel gerados por uma academia.

No entanto, Andradas admite que os rankings têm um papel naquilo que é o prestígio e imagem das universidades, tendo muitas vezes um papel na atractividade face a novos estudantes.

Na sessão de abertura do encontro de reitores discursou Marcelo Rebelo de Sousa. O Presidente da República entende que as universidades precisam de se abrir à sociedade e de antecipar os novos desafios. Se o chefe de Estado português identifica a “endogamia” ou o “fechamento” como problemas destas instituições de ensino superior, a “incapacidade de antecipar” coloca outro tipo de desafios. “Não antecipar, para uma universidade, é morrer.”

"Educar é um desafio universal de hoje"

A antecipação que defende relaciona-se com a “capacidade de ver e planear a médio prazo”. Para que tal seja possível, é preciso haver consensos. Neste ponto, tal como já fez em relação a outros sectores, Marcelo fala na necessidade de um “consenso de regime”, para que as políticas públicas de educação “não mudem com cada governo, com cada legislatura, com cada orçamento”. O horizonte precisa de ser mais distante. “Porque educar não é tarefa de um governo, de um político, de um partido, de um sindicato, de uma confederação patronal. Nem sequer de um país só. Educar é um desafio universal de hoje”, afirma.

Marcelo apontou o exemplo de Portugal, onde a alteração das estruturas das universidades resultou numa abertura às comunidades, disse numa referência ao Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, cuja entrada em vigor levou à admissão de personalidades externas nos conselhos gerais das universidades.

“Mas fomos mais longe”, afirmou, para dar outro exemplo do papel que as universidades podem ter. O modelo apontado por Marcelo foi o do seu antecessor, Jorge Sampaio, que promoveu um programa de acolhimento de refugiados sírios nas instituições de ensino superior. É também neste campo que estas instituições têm que se abrir “para além das fronteiras de cada Estado”, entende. O chefe de Estado português, que discursava em frente a uma plateia de cerca de 600 pessoas no Palácio de Congressos da cidade espanhola, fez as contas: “Se cada universidade recebesse cinco refugiados, teríamos 300 lugares de justiça social.”

Para reforçar a necessidade de abertura à sociedade, Marcelo realça a importância que a educação tem para a coesão social. E a “crise dos dias de hoje, dos sistemas políticos, económicos e sociais, é uma crise de falta de coesão”. Essa ausência abre espaço ao populismo, à xenofobia e à demagogia, advertiu, acrescentando que, por isso, “não há universidade que não deva ser aberta ao mundo”.

Num auditório repleto de académicos de 26 países, a maioria dos quais do espaço ibero-americano, o presidente português fez uma declaração de interesses: iria “deixar falar” o “coração de professor”. Um cargo do qual se vai jubilar dentro de seis meses, referiu, ao atingir os 70 anos. Mas “presidente é-se por períodos limitados de tempo. Professor é-se para toda a vida”.

O PÚBLICO viajou a convite do Banco Santander