Peritos colocam todas as casas do Parque de Sintra e Cascais sob risco elevado de incêndio

Palácios da Serra de Sintra também estão sob a ameaça potencial das chamas.

Cenário Montado
Foto
Miguel Manso

Dois dos peritos espanhóis em protecção civil que, durante três semanas, deram apoio técnico às autoridades portuguesas, concluíram que todas as casas existentes na área do Parque Natural de Sintra-Cascais estão em risco elevado ou muito elevado de incêndio. De acordo com os mesmos peritos, que deixaram Portugal na passada sexta-feira, os palácios da Serra de Sintra estarão em situação semelhante, o que exige algumas medidas.

Segundo Maria de Jesus Fernandes, directora do Departamento de Conservação da Natureza e Florestas de Lisboa e Vale do Tejo (estrutura regional do Instituto da Conservação da Natureza e da Floresta), o Governo está especialmente preocupado com área do Parque de Sintra-Cascais, pelas construções existentes e pelos cerca de 3 milhões de visitantes anuais. Essa preocupação levou mesmo a que dois dos três peritos espanhóis convidados pela Autoridade Nacional de Protecção Civil e pela Agência de Gestão Integrada de Fogos Rurais tenham dedicado quatro dos dias em que estiveram em Portugal à avaliação da situação deste parque. Analisaram todos os dados disponíveis do ano passado, da meteorologia, da orografia, da exposição aos ventos, do coberto vegetal e das casas, pequenos aglomerados e palácios ali existentes.

“Antes de se irem embora fizeram a apresentação conjunta do seu trabalho. O que ressalta mais das conclusões a que chegaram é que, na avaliação das vulnerabilidades das casas, concluíram que todas elas têm risco elevado ou muito elevado. Não há nenhuma casa dentro do perímetro do Parque de Sintra-Cascais que tenha vulnerabilidade baixa. Mesmo a conhecida Casa Champalimaud, que tem um grande relvado à volta, é considerada de risco elevado”, revelou a directora do departamento de Florestas de Lisboa e Vale do Tejo, na tarde deste sábado, numa sessão sobre as consequências dos incêndios organizada em Arruda dos Vinhos. Maria de Jesus Fernandes considera que, para além da limpeza das faixas potencialmente combustíveis, há outras situações, muitas delas características do Parque de Sintra-Cascais, que devem ser prevenidas.

“Temos de fazer perceber aos cidadãos que têm que ter as bilhas de gás em condições de segurança, que não podem ter os telhados cobertos de caruma seca”, prosseguiu a responsável regional, considerando que também é preciso ter cuidados especiais com os anexos e outras estruturas de madeira.

“Não adianta obrigarmos as pessoas a fazerem uma faixa de 50 metros de corte de árvores à volta das casas, se as casas não tiverem os telhados limpos. Se tiverem pontos de ignição e houver coisas que ardam facilmente, o outro trabalho feito foi em vão”, avisou, considerando que em zonas de minifúndio e de microfúndio como a região de Lisboa e Vale do Tejo a maioria dos proprietários terá muitas dificuldades financeiras para suportar limpezas anuais das faixas combustíveis. “Se não conseguirmos que haja um emparcelamento, é difícil dizer às pessoas que não ponham eucaliptos. Faltam alternativas e ninguém ganha dinheiro com uma microparcela que tenha que ser limpa todos os anos”, concluiu.

Comandante de Poiares prevê muitas dificuldades

Também Luís Sousa, comandante dos Bombeiros Voluntários e comandante operacional concelhio de Vila Nova de Poiares, considera que a questão da limpeza das faixas combustíveis é positiva, mas não vai resolver tudo. No caso do seu concelho, onde cerca de 70 por cento das áreas florestais foram consumidas pelo fogo no passado dia 15 de Outubro, ainda há muita limpeza por fazer. Mas os preços solicitados pelas empresas especializadas já mais do que duplicaram. Segundo referiu, em 2017, o preço pela limpeza de um hectare de floresta rondava os 700/800 euros. Nas últimas semanas, concursos lançados em Poiares que previam 1500 euros por hectare ficaram desertos e, na próxima semana, o Município vai fazer uma nova tentativa oferecendo 1800 euros por hectare.

“Não vejo o futuro com bons olhos. Vai ser muito complicado. As pessoas estão a fazer um esforço tremendo para limpar, mas não se pode limpar em quatro meses o que não se fez em 40 anos”, vincou, considerando que os meios “cada vez são menos e cada vez há mais dificuldades”.

“Ouve-se falar em mais 30 milhões de euros para o dispositivo de combate a incêndios, de mais 60 milhões para os bombeiros, mas tudo isso é uma falácia, porque desses 60 milhões de euros, 30 a 40 milhões são para os meios aéreos. À semelhança das empresas de limpeza, também as empresas dos meios aéreos querem receber quase o dobro. Assim não vamos a lado nenhum”, lamentou.