Antigo carteiro diz que recebia mal e ficou com 400 quilos de correio por entregar

O homem, que se despediu em 2017, terá deixado de entregar a correspondência durante um período de três anos.

Foto
O antigo carteiro deixou de entregar a correspondência durante três anos Simone Ramella/WIKICOMMONS

Um ex-carteiro italiano enfrenta acusações judiciais depois de a polícia ter encontrado 400 quilos de correspondência por entregar em sua casa na cidade de Turim, no norte de Itália, segundo o jornal Guardian. O homem, de 33 anos, ter-se-á despedido do emprego em 2017 e admitiu não ter entregado o correio durante um período de três anos porque "não recebia o suficiente" de salário, cita o jornal britânico. 

A polícia italiana descobriu a enorme quantidade de correspondência após ter mandado parar o antigo carteiro durante uma operação de controlo policial, na qual encontraram uma arma branca – uma faca desdobrável de 20 cm de comprimento – e cerca de 70 cartas no banco de trás do seu carro. O incidente levantou suspeitas, pelo que as autoridades dirigiram-se à habitação do ex-carteiro onde encontraram mais 40 caixas de correspondência por entregar – incluindo extractos bancários, facturas de contas e outras correspondências particulares.

"Eu não recebia o suficiente e, por isso, parei [de entregar o correio]", terá dito o homem citado pelo Guardian. O ex-carteiro enfrenta agora acusações de roubo, apropriação indevida de correspondência e porte de arma e pode vir a ser sentenciado a uma pena de até um ano de prisão.

Este não é o primeiro caso, em Itália, em que um carteiro deixa de entregar a correspondência durante longos períodos de tempo. Em Janeiro deste ano, um homem de 56 anos foi detido depois de a polícia ter encontrado, na garagem da sua casa na cidade de Vicenza, 500 quilos de correio por entregar – a correspondência era datada de 2010 e incluía listas telefónicas, facturas de contas e folhetos da campanha eleitoral para aquela câmara municipal, de acordo com a agência Reuters. Embora o serviço postal de Vicenza se tenha comprometido a devolver o correio aos destinatários, alguma correspondência acabou por chegar ao destino com vários anos de atraso.