Rita Corrêa Mendes quer dar cor aos pés com a Maray

A última colecção chama-se Otília Spring e já está disponível na loja online.

Fotogaleria
Rita Côrrea Mendes DR
Fotogaleria
Sapatos rasos Ayu (120 euros) DR
Fotogaleria
Botins Boême (140 euros) DR
Fotogaleria
Slippers Blossom (130 euros) DR
Fotogaleria
Sapatos rasos Ayu (120 euros) DR,DR
Fotogaleria
Botins Boême (140 euros) DR

Depois de ter sentido alguma dificuldade em encontrar sapatos rasos, coloridos e que fossem uma extensão da sua personalidade, em 2017, Rita Corrêa Mendes criou a Maray, uma marca que tem como objectivo “reinterpretar com ousadia o sapato clássico”.

Antes de lançar a marca, Rita trabalhou 13 anos como directora de marketing no grupo L’Oréal Portugal, cargo que deixou de exercer para “abraçar desafios pessoais”. “Quando tive o meu terceiro filho senti que queria viver a maternidade de uma forma diferente. Não queria que ele nascesse no meio de um turbilhão de trabalho, como aconteceu com os meus dois primeiros filhos”, conta.

Com três filhos – Pilar, Jaime e Lucas –, Rita Corrêa Mendes, de 33 anos e natural de Lisboa, deixou para trás os saltos altos e decidiu adoptar “uma indumentária mais descontraída e adaptada ao estilo de vida” que conquistou. Insatisfeita com a oferta do mercado relativamente a sapatos rasos, foi no início de 2017 que nasceu a ideia de criar a Maray e mais tarde, a primeira colecção da marca, Guarani, lançada em Novembro.

Em Março, a fundadora propôs uma “perspectiva étnico e cosmopolita ao made  in Portugal” com o lançamento da segunda colecção-cápsula, a que deu o nome Otília Spring. Assim, para esta Primavera, a marca criou três modelos em camurça e disponibilizou-os em várias cores e padrões. Os sapatos rasos Ayu, os slippers Blossom, e os botins Boême, que custam 120, 130 e 140 euros, respectivamente.

PÚBLICO -
Foto
Rita Côrrea Mendes DR

Dedicada a “mulheres confiantes, que lideram vidas dinâmicas e que não se levam demasiado a sério”, a Maray explora sobretudo a cor e as texturas inspiradas em países exóticos como o Brasil, onde Rita trabalhou durante seis meses, entre 2011 e 2012. “A inspiração da marca veio essencialmente do universo da maquilhagem, a área que mais me interessou no grupo L’Oréal. Relativamente à maquilhagem, o mercado brasileiro é bastante desenvolvido. No Brasil, tive a oportunidade de trabalhar directamente com o produto. Desde a definição da palete de cores às texturas”, explica.

Para a ex-directora de marketing, o universo da cor e das texturas é ponto-chave da marca, seja através da própria cor ou da mistura de padrões como zebra e cobra. “No mundo da maquilhagem, as paletes de cores são extensas e a mulher precisa de, pelo menos, cinco ou seis tons de encarnado para escolher um. Nesse sentido senti que também precisava de explorar um universo de cores relativamente ao mundo dos sapatos.”

Formada em marketing e “sem jeito para o desenho”, Rita Corrêa Mendes revela que os modelos de calçada surgem baseados em pesquisa que faz, no seu gosto pessoal e nos modelos apresentados pelos modeladores e fornecedores de formas. A produção fica ao cargo de artesãos de São João da Madeira.

A colecção está disponível na loja online e na loja multimarca Mini by Luna, no Príncipe Real, em Lisboa. Através do site, a marca tem vendido não só para Portugal, sobretudo para Lisboa, mas já chegou a Espanha, ao Reino Unido e ao Canadá, enumera a empresária. Brevemente, a Maray irá lançar uma edição limitada alusiva ao Dia da Mãe. 

Texto editado por Bárbara Wong