Sete ideias para sair esta semana

Está o circo montado. E ainda há tempo para alheiras, galos, cervejas, palavras e marionetas.

Foto
"Plan B" da Compagnie 111 de Aurélien Bory DR

No mundo do circo

Guimarães, Centro Cultural Vila Flor, Palácio Vila Flor e INAC - Instituto Nacional de Artes do Circo
Dia 10 de Março

O circo contemporâneo monta a tenda em Guimarães. Depois do sucesso da edição zero, no ano passado, a cidade-berço recebe o Circus Arts Weekend. Com os olhos postos na arte e no equilíbrio entre o presente e o futuro, alinham-se espectáculos, debates e conversas. A ideia é dar a conhecer o que se faz e impulsionar a formação e o trabalho em rede. O dia começa no INAC - Instituto Nacional de Artes do Circo, que convida o público a experimentar as várias disciplinas, e passa depois pelos espaços do Palácio e do Centro Cultural Vila Flor. Ao palco chegam as criações 1.5ºC Ponto de Equilíbrio, uma estreia absoluta da Erva Daninha (às 18h30), e Plan B, um clássico da Compagnie 111 de Aurélien Bory (às 21h30). Entre malabarismos e superações, são feitas analogias com a própria vida e situações do quotidiano. Porque cada circo é um mundo.
Horário: a partir das 10h.
Entrada livre, excepto espectáculos (5€ e 8€ ou 10€ bilhete conjunto).

 

PÚBLICO -
Foto
Manuel Roberto

Quando a alheira é rainha

Mirandela, Parque do Império
Até 11 de Março

Certificada como Especialidade Tradicional Garantida (que comprova a produção no concelho de origem). Reconhecida como uma das Sete Maravilhas da Gastronomia de Portugal. A fama da alheira de Mirandela passou há muito os limites da região transmontana e da própria arte de a cozinhar: da presença (quase) obrigatória nos pratos de enchidos servidos de tradição às propostas mais recentes de formato gourmet. É para a mostrar e degustar que decorre mais uma edição da Feira da Alheira, que conta este ano com 75 expositores e põe na montra outros produtos locais como queijos, vinhos, azeites, compotas, cogumelos, mel, pão ou artesanato. O programa não fica por aqui: em parceria com uma dúzia de restaurantes da terra, é servido o Festival Gastronómico com ementas preparadas com a prata da casa.
Horário: sábado e domingo, das 9h30 às 20h.
Entrada livre

 

PÚBLICO -
Foto
DR

Em nome do galo

Barcelos, Avenida da Liberdade
Até 18 de Março

Barcelos dedica-se a mais um dos prazeres da gastronomia tradicional. O galo é o homenageado nas cartas das mais de três dezenas de estabelecimentos aderentes, numa iniciativa que também põe à mesa as papas de sarrabulho e os famosos rojões. Destacam-se os sabores com tradição e promove-se a cultura com “experiências do mundo rural ligadas ao vinho e ao turismo”. Para os interessados, há ainda workshops culinários dedicados às papas e à doçaria barcelense (dia 17, às 10h e às 14h, nos restaurantes e no Posto de Turismo, respectivamente). Tudo para mostrar que a herança da cidade minhota faz parte da identidade portuguesa e não se encontra apenas na icónica figura de barro colorida.
Workshops gratuitos, mediante inscrição, até 15 de Março ([email protected]).

 

PÚBLICO -
Foto
Pedro Cunha

Palavras à solta

Madeira, Teatro Municipal Baltazar Dias
De 13 a 17 de Março

A oitava edição do Festival Literário da Madeira tem como mote "Jornalismo e Literatura – Palavra que prende, palavra que liberta". Mick Hume, Ricardo Araújo Pereira, Daniel Alarcón, Javier Cercas, Eleanor Catton, José Luís Peixoto, Sofi Oksanen, Benjamin Moser, Raquel Marinho, Cândida Pinto, Carlos Fino, Paulo Moura, Esther Mucznik, Frei Bento Domingues, Sheik David Munir, Clara Ferreira Alves, Ottessa Moshfegh e José Gardeazabal são alguns dos convidados a partilhar experiências e discutir o tema ao longo dos cinco dias. Para além das conversas e dos encontros, o potencial da palavra passa pela música: a fadista Aldina Duarte é chamada ao palco para mostrar Quando Se Ama Loucamente, o seu mais recente registo, que inclui uma selecção de fados tradicionais e um inédito de José Ferreira (dia 16 de Março, às 21h30).
Grátis, excepto concerto (20€).
Programa completo em www.festivalliterariodamadeira.pt.

 

PÚBLICO -
Foto
Mariana Figueroa

Tudo nos Eixos

Santa Maria da Feira, Cineteatro António Lamoso
De 14 a 18 de Março

Cinco dias, quatro companhias, dois territórios. É com estas linhas que se cose o programa do primeiro Eixos - Ciclo de Teatro de Marionetas de Portugal e Galiza. Sob o signo Santa Maria da Feira – V Capital da Cultura do Eixo Atlântico, o encontro transfronteiriço leva à cena espectáculos das Marionetas da Feira, S.A. Marionetas, Títeres Alakrán e Teatro Cachiruto. O público é convidado a conhecer bonecos nacionais e exemplares da Ucrânia, do Brasil e de Inglaterra na exposição Marionetas no Mundo; assistir a uma tertúlia de bonecreiros tradicionais; ver o documentário Teatro Dom Roberto - Alguns Testemunhos, assinado por Edgar Medina, ou mesmo aprender a construir uma marioneta numa oficina para pais e filhos. Entre o cruzamento de histórias, o folclore e a modernidade, puxem-se os fios.
Grátis
Programa completo em www.cineteatro.cm-feira.pt.

 

PÚBLICO -
Foto
Nelson Garrido

A cultura da cerveja

Lisboa, Hub Criativo do Beato
De 15 a 17 de Março

Aviso à comunidade cervejeira: se é entusiasta desta bebida e apaixonado pela experiência artesanal, tome nota na agenda. O novo Beer Generation Lisbon Festival promete uma viagem à cultura da cerveja com paragens na gastronomia, nas degustações, nos lançamentos de edições especiais, nas conferências e na música. À prova estão 30 produtores nacionais e estrangeiros e duas centenas de garrafas diferentes. Entre produtores, consumidores e empreendedores, por ali passam nomes de referência no sector como Steve Hindy, Pyry Hurula, Cilene Saorin ou Ben Rozzi. Para acompanhar as notas de prova, a carta musical sugere The Poppers, Flying Cages, Barry White Gone Wrong e Pigball, entre outros.
Horário: quinta e sexta, das 16h às 2h; sábado, das 14h às 2h.
Entrada livre (fichas de prova a 1€; copos de 2,5€ a 4€)

 

PÚBLICO -
Foto
Alípio Padilha

Banda Sonora

Lisboa, Teatro Municipal São Luiz
Até 18 de Março

O Teatro do Eléctrico leva à cena um espectáculo criado por Ricardo Neves-Neves (texto e encenação) e Filipe Raposo (composição e orquestração). Aqui a banda sonora não é um simples adereço: é da música que partem as cenas e o texto. Ana Valentim, Joana Campelo, Márcia Cardoso, Rita Cruz, Sílvia Figueiredo e Tânia Alves são as seis actrizes-cantoras, divididas em naipes vocais (e até parecenças físicas), que compõem o elenco. A Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida pelo maestro Cesário Costa, completa a envolvente musical.
Horário: quarta a sábado, às 21h; domingo, às 17h30.
Bilhetes de 12€ a 15€