Fernanda Montenegro abre Festa Literária Internacional de Paraty

A actriz brasileira vai partilhar com a maestrina e compositora Jocy de Oliveira a sessão inaugural da 16.ª edição da Festa Literária de Paraty, que decorrerá em Julho.

Foto
EURIVALDO BEZERRA

A abertura da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), que decorrerá naquela cidade brasileira de 25 a 29 de Julho, irá reunir a actriz Fernanda Montenegro, de quem será lançada durante o festival uma extensa fotobiografia, e a maestrina, compositora e pianista Jocy de Oliveira, pioneira da música de vanguarda electroacústica e da ópera multimédia, cujo trajecto é homenageado na obra colectiva Leituras de Jocy, que será igualmente apresentada em Paraty. 

A presença das duas artistas foi anunciada pela organização, que não adiantou mais detalhes acerca do programa de abertura desta 16.ª edição da FLIP, que terá curadoria de Joselia Aguiar e será dedicada à poetisa, ficcionista, cronista, dramaturga e tradutora brasileira Hilda Hist (1930-2004), nome fundamental da literatura brasileira do século XX.  

Foi também já confirmada a presença em Paraty de André Aciman, o autor americano de origem egípcia que adquiriu notoriedade internacional com o romance Call Me by Your Name (2007), cuja recente adaptação cinematográfica – Chama-me pelo Teu Nome (2017), de Luca Guadagnino – é candidata a três Óscares.

O romance de Aciman, ainda sem edição portuguesa – no Brasil foi publicado pela Intrínseca com o título Me Chame pelo Seu Nome –, é protagonizado por Elio, um judeu italo-americano de 17 anos que se apaixona por um jovem académico norte-americano de 24 anos, também judeu, que se hospeda em sua casa, na Riviera italiana, para trabalhar como assistente do seu pai, um reputado professor de arqueologia. A história inicia-se em 1983, com o romance de Verão entre ambos, e acompanha os 20 anos subsequentes.

A adaptação de Luca Guadagnino, que tem co-produção brasileira, está nomeada para o Óscar de Melhor Filme, Timothée Chalamet disputa o Óscar de Melhor Actor pela sua interpretação de Elio, e o veterano realizador James Ivory, autor do argumento, habilita-se ao Óscar de Melhor Argumento Adaptado.

Professor de Teoria da Literatura na Universidade de Nova Iorque e especialista na obra de Marcel Proust, Anciman nasceu em Alexandria, numa família de judeu sefarditas que se exilou em Itália.