Wagner — os mercenários russos na guerra síria

No dia 7 de Fevereiro, os EUA foram atacados em Deir Ezzor. Num contra-ataque devastador, mataram cem pessoas, com o Kremlin a reconhecer a queda de dezenas de cidadãos russos.

Foto
Evgeni Prigozhin a servir Vladimir Putin, que ainda era primeiro-ministro, em Outubro de 2011 Misha Japaridze/Reuters

Um dos mais complexos episódios da retorcida guerra na Síria aconteceu na noite de 7 de Fevereiro. Nesse incidente, tropas dos Estados Unidos e os seus aliados sírios foram atacados perto da cidade de Deir Eizzor por centenas de combatentes fiéis ao regime sírio. Os responderam com um contra-ataque devastador que segundo os EUA matou cem pessoas. 

A situação complicou-se rapidamente com a notícia de que mercenários russos tinham participado no ataque e que estavam entre os mortos — tornando-o o mais mortífero confronto entre os EUA e a Rússia desde o fim da Guerra Fria. 
A empresa de mercenários chama-se Wagner, e foi relacionada com Ievgeni Prigozhin, um oligarca russo que foi recentemente acusado pelo procurador especial norte-americano Robert Mueller pelo seu papel na “guerra da informação” antes das eleições presidenciais de 2016.

Pior, relatórios dos serviços secretos americanos sugerem que Prigozhin contactou o Kremlin e fontes militares sírias pouco antes do ataque, segundo o The Washington Post. A situação levanta questões sobre o papel que a empresa de mercenários russos — ou da “pseudo-empresa” de mercenários, segundo o especialista russo em assuntos militares Mark Galeotti — está a ter na guerra na Síria.

Quando nasceu a Wagner?

A Wagner ganhou notoriedade pelas suas operações em 2014 na Ucrânia, onde mercenários seus — a maior parte deles veteranos e ultranacionalistas — estavam a combater ao lado dos separatistas pró-Rússia no Leste do país. Acreditava-se que o grupo era dirigido por Dmitri Utkin, que até 2013 pertenceu aos serviços secretos militares russos (GRU).

Depois de deixar o serviço militar, Utkin terá trabalhado no sector privado em empresa como a Segurança Moran e o Corpo Eslavo, um grupo de mercenários russos enviados para a Síria em 2013 com consequências desastrosas. Segundo a agência de investigação russa Fontanka, o fundador da Wagner é um simpatizante nazi. Os media russos  dizem que Utkin baptizou o grupo homenageando Richard Wagner, o compositor alemão cujos trabalhos eram admirados por Hitler. Foi depois alvo de sanções do Departamento do Tesouro dos EUA pelo seu envolvimento na Ucrânia.

Em 2015, depois do início da intervenção russa a favor do Presidente sírio Bashar al-Assad, a Wagner começou a enviar tropas para a Síria: em Outubro de 2015, apenas um mês depois de a Rússia ter começado a fazer raides aéreos, surgiram notícias dando conta da morte de cidadãos russos junto das forças pró-Damasco. Relatórios posteriores indicaram que mercenários da Wagner poderiam ter sido enviados para o Sudão e para a República Centro Africana.

Qual a relação de Prigozhin com a Wagner?

Prigozhin é um oligarca russo que se tornou famoso na área da restauração — a sua alcunha era “chefe de Putin”. Tem uma vida notável, um percurso que o levou da prisão, tendo estado preso nove anos por roubo e prostituição, a empresário ligado ao Kremlin.

Tem a reputação de não se importar de fazer o trabalho sujo do Presidente russo, Vladimir Putin. Na semana passada, foi incluído pela investigação Mueller na lista de pessoas ligadas à Internet Research Agency, uma empresa de São Petersburgo suspeita de usar as redes sociais para interferir na política americana, incluindo nas eleições presidenciais de 2016. A acusação diz que Prigozhin e a sua empresa de catering, a Concord, gastou “fundos significativos” nessa operação e que Prigozhin participou em muitas reuniões sobre o assunto. 

Fontes dos serviços secretos americanos dizem que “quase de certeza” Prigozhin controla os mercenários Wagner que combatem na Síria. A empresa de comunicação russa RBC disse no ano passado que Utkin estaria “fichado” como director geral de uma das empresas de catering de Prigozhin.

Qual é o papel da Wagner na Síria?

À primeira vista, os mercenários pareciam estar sobretudo envolvidos na segurança das bases russas e de outras instalações militares na Síria. Porém, à medida que a guerra se foi prolongando, começaram a ter um papel mais activo e a participar nos combates para reconquistar a cidade histórica de Palmira, em 2016 e 2017.

Pelo menos parte do envolvimento do grupo pode ter objectivos puramente comerciais — segundo noticiou a agência Associated Press no ano passado a petrolífera estatal síria ofereceu ao batalhão da Wagner na frente de guerra uma parte dos lucros das refinarias recuperadas ao grupo islamista Daesh.

O número de mercenários da Wagner na Síria deve ser superior a três mil, segundo a Fontanka, que também diz que 73 morreram — uma estimativa que os grupos de monitorização dizem ser conservadora. O Governo russo reconheceu que “várias dezenas” de russos foram mortos ou feridos no contra-ataque americano de 7 e 8 de Fevereiro. 

São um grupo privado ou parte do exército russo?

A ligação ambígua da Wagner ao Governo torna-a única, diz Galeotti. “A Rússia sempre usou mercenários, dos cossacos do czar aos rebeldes da Tchétchénia, mas trabalhavam directamente para o Estado, não para uma empresa”, explica este especialista por email.

De facto, e apesar de Putin ter dado o seu apoio à ideia de existirem empresas privadas de defesa, esse tipo de operações é ilegal à luz da lei russa. Quando o Corpo Eslavo, que estava na Síria, regressou à Rússia em 2013, alguns dos seus membros foram presos.

Mas as empresas militares privadas podem ter um papel chave nos objectivos da Rússia. O Kremlin quer evitar baixas na Síria, como aquelas que ocorreram em guerras sangrentas e impopulares, com a da Tchétchénia e a invasão soviética do Afeganistão. E como Moscovo viu no conflito na Ucrânia, os militares contratados podem permitir que se nege de forma plausível que está a participar quando o conflito se torna controverso internacionalmente. 

De quando em quando, o Governo russo acarinha os seus aliados mercenários —  Utkin foi fotografado a receber um prémio das mãos de Putin em 2016. De acordo com informação interceptada pelos serviços secretos americanos, Prigozhin disse a altos funcionários militares sírios que tinha “garantida a autorização” de um ministério russo não especificado para o ataque de 7 de Fevereiro.

Porém, não está claro até onde Moscovo dirige a acção da Wagner ou se a tolera em todas as situações. Iuri Barmin, especialista em política russa para o Médio Oriente, sugeriu no Twitter que a ausência de apoio dos militares russos à Wagner durante o contra-ataque americano pode significar uma ruptura entre o Ministério russo da Defesa e o grupo mercenário.

Alexei Khlebnikov, um consultor de risco e especialista em Médio Oriente no Russian International Affairs Council, disse que a Wagner representa uma “moeda de duas faces” para Moscovo: tem claramente importância tácita, mas implica riscos para a Rússia. 

Um dos principais problemas é que apesar das tentativas para manter as actividades da Wagner na Síria discretas, os pormenores revelados criam embaraço. No ano passado, por exemplo, o Daesh divulgou um vídeo que disse ser da captura de cidadãos russos que foram depois relacionados com a Wagner.

A morte de mercenários russos às mãos dos Estados Unidos foi motivo de tristeza mas também de irritação por o Governo russo não reconhecer o seu sacrifício.

“Eles existem”, disse à AP Farkhanur Gavrilova, a mãe de um dos mercenários mortos. “O Governo manda ir as tropas — é responsável pelas suas acções. Mando ir as tropas, mandam vir as tropas, mas ainda lá estão [russos], é tudo secreto”.

Esta reacção pode minar o apoio à intervenção russa na Síria. Uma sondagem realizada no ano passado mostra que metade dos russos acredita que o seu país deve pôr fim às operações na Síria — e 32% dos inquiridos estão convencidos de que o conflito pode tornar-se um “novo Afeganistão” para a Rússia.

Exclusivo PÚBLICO/The Washington Post

Sugerir correcção