Torne-se perito

Vencedor do prémio principal do Correntes D'Escritas "honrado" com a distinção

O colombiano Juan Gabriel Vásquez é o primeiro escritor latino-americano a ser distinguido com o Prémio Literário Casino da Póvoa.

Foto
Juan Gabriel Vásquez Daniel Rocha

Juan Gabriel Vásquez, vencedor do prémio principal do festival literário Correntes D'Escritas, que terminou este sábado na Póvoa de Varzim, confessou estar "muito honrado" pela distinção que lhe foi atribuída.

O escritor colombiano, de 45 anos, foi reconhecido pelo júri do festival com o Prémio Literário Casino da Póvoa, no valor de 20 mil euros, pela sua obra A Forma das Ruínas, editado pela Alfaguara, tendo marcado presença na cidade nortenha no último dia do festival para receber o prémio.

"Recebi a notícia com muita satisfação, e é um enorme prazer fazer parte de uma lista de escritores que já o ganharam antes, onde há muitos nomes que admiro. É um grande orgulho ser distinguido num festival que é um lugar de encontro para a literatura latino-americana", disse Juan Gabriel Vásquez.

O autor colombiano, que esteve na sessão de encerramento do Correntes de D'Escritas, o encontro de escritores de expressão ibérica que reuniu na sua 19.ª edição mais de 80 escritores de 14 nacionalidades, destacou o facto de ser o primeiro autor sul-americano a receber o prémio principal do certame.

"Este festival na Póvoa de Varzim já se converteu num lugar de encontro entre as línguas portuguesa e espanhola, com autores dos dois lados do Atlântico, e o facto de terem atribuído o prémio, pela primeira vez, a um autor latino-americano, é um enorme motivo de orgulho", confessou.

Curiosamente, Juan Gabriel Vásquez participou na edição do ano passado do Correntes D'Escritas, onde apresentou, precisamente, o livro agora distinguido A Forma das Ruínas, confessando sentir-se "em casa na Póvoa de Varzim".

"É um romance completo e ambicioso, que conta de que forma as violências do passado no meu país passaram de geração em geração. Esta reflexão saiu de um momento muito estranho em que um amigo meu, médico, me convidou para sua casa e me colocou nas mãos os restos mortais de um político colombiano assassinado em 1948", descreveu o autor.

Juan Gabriel Vásquez sublinhou que "foi esse contacto com a história violenta da Colômbia que serviu de inspiração para escrever este livro e explorar as implicações dessas violências, para que estas não fiquem no passado, mas passem, também, de geração em geração".

O autor confessou, ainda, que já está a preparar o seu novo romance, também inspirado num facto histórico da Colômbia, desvendando um pouco o véu sobre o tema da obra.

"Falará dos filhos colombianos da Guerra Fria, e de todo um fenómeno ideológico, que acabou por expulsar do país muitos jovens, tendo muitos deles se alistado em exércitos estrangeiros, como o espanhol, lutando em guerras do Afeganistão ou Iraque", confessou.

Juan Gabriel Vásquez esteve este sábado ao lado do presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, na sessão de encerramento do encontro de escritores, ouvindo o desafio lançado pelo autarca para a próxima edição do certame. "Amanhã já começamos a preparar a 20.ª edição, e já lancei o desafio de que sejamos capazes de nos reinventar para que possamos contar com mais de 20 anos de Correntes D'Escritas, envolvendo cada vez mais a cidade", concluiu o autarca.

Sugerir correcção