Tiroteio na Florida

Alunos contam como treinador os protegeu das balas com o próprio corpo

O ataque à escola secundária de Parkland, nos EUA, fez pelo menos 17 mortos e 14 feridos. Um dos alunos relatou os momentos de pânico no Twitter.

Fotogaleria
LUSA/CRISTOBAL HERRERA
Fotogaleria
Reuters/HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/GIORGIO VIERA
Fotogaleria
LUSA/GIORGIO VIERA
Fotogaleria
LUSA/GIORGIO VIERA
Fotogaleria
LUSA/CRISTOBAL HERRERA
Fotogaleria
LUSA/GIORGIO VIERA
Fotogaleria
LUSA/GIORGIO VIERA

Há mais uma escola na lista de lugares atacados com armas nos Estados Unidos da América. Esta quarta-feira, um atirador disparou numa escola secundária em Parkland, cidade a 72 quilómetros a norte de Miami, causando pelo menos 17 mortos e 14 feridos.

Muitos foram salvos graças a Aaron Feis, o treinador de futebol americano que se pôs na trajectória das balas para proteger os seus alunos.

A história é contada no Miami Herald, que cita vários relatos recolhidos no Twitter, feitos por alunos. Num primeiro momento foi noticiado que Aaron Feis seria um dos mortos, mas existem informações divergentes que o apontam como um dos sobreviventes, apesar dos ferimentos. Ao final da noite de quarta-feira, o xerife de Broward, Scott Israel, confirmou a morte de um “treinador de futebol [americano] muito acarinhado”. Não o nomeou.

De acordo com Willis May, também treinador na escola secundária, Aaron Feis ouviu na rádio alguém a perguntar de onde vinha o barulho das “bombinhas de Carnaval”. Percebeu de imediato que não era uma partida e saiu na direcção dos alunos.

No Twitter, vários alunos sublinharam a coragem do treinador.

Feis trabalhava há oito anos como segurança, um trabalho que “levava muito a sério”, garante Andrew Hofmann, um dos alunos ouvidos pelo jornal norte-americano Miami Herald. O treinador tinha regressado em 2002 à escola Marjory Stoneman Douglas, onde tinha estudado, para treinar a equipa de futebol americano. “Era muito dedicado à segurança da escola”, sublinhou o aluno.

O episódio desta quarta-feira foi relatado no Twitter por um dos mais de 3100 alunos que frequentam a Marjory Stoneman Douglas. O jovem, que se identifica no Twitter como @TheCaptainAidan, estava a terminar um teste de matemática quando ouviu os primeiros disparos. Pensou tratar-se de uma brincadeira de alguém que “estava a fazer alguma parvoíce, como rebentar pacotes de batatas fritas”. Mas quando um outro aluno invadiu a sala de aula para se proteger e trancou a porta, os alunos perceberam que algo se passava. Foi então que procuraram uma zona da sala afastada da porta, onde não estivessem tão expostos.

Aidan partilhou uma imagem da sala de aula, que mostra as cadeiras vazias e outros alunos sentados no chão. Confessou estar aterrorizado. 

Um dos utilizadores escreve que já passou pelo mesmo e tenta tranquilizar o jovem. “Aguenta-te. Fica quieto. Ajuda quem estiver ferido. Mantém-te calmo. Vai tudo correr bem. Eu prometo. Vais ficar bem”, lê-se na mensagem. 

Numa outra publicação, ainda dentro da sala de aula, escreve que está “trancado” na escola, mas que sabe que existem já cerca de 20 vítimas mortais. Cerca de uma hora depois, Aidan publica uma nova fotografia, já no exterior da escola, depois de terem sido resgatados por uma equipa de forças de intervenção SWAT, detalhou depois ao jornal Miami Herald.

PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

O autor dos disparos foi identificado como sendo Nikolas de Jesus Cruz, de 19 anos, um ex-aluno daquela secundária. Segundo os dados da organização Everytown for Gun Safety, e este é o 18.º incidente com armas de fogo em escolas ou locais próximo de estabelecimentos de ensino nos EUA, só desde o início do ano.