YouTube suspende receitas de publicidade nos vídeos de Logan Paul

O mais recente vídeo do youtuber dá continuidade ao "comportamento padrão inadequado" do norte-americano.

O norte-americano pediu desculpas pelo seu comportamento, mas a plataforma não detecta uma alteração do seu comportamento
Foto
O norte-americano pediu desculpas pelo seu comportamento, mas a plataforma não detecta uma alteração do seu comportamento DR

O YouTube anunciou nesta sexta-feira que cortou temporariamente as receitas publicitárias ao canal de Logan Paul, depois de um dos mais recentes vídeos do jovem norte-americano ter gerado uma nova onda de protestos, pelo seu conteúdo cruel e exploração da morte. De acordo com o The Verge, que cita um relatório da empresa SocialBlade, as receitas do norte-americano estão avaliadas num milhão de dólares por mês.

A polémica em relação ao comportamento do youtuber Logan Paul recua ao início do ano, quando Paul partilhou um vídeo onde mostrava e ridicularizava uma vítima de enforcamento numa floresta japonesa. O vídeo chegou a somar milhões de visualizações, mas acabou por ser removido pelo próprio autor, que pediu desculpas na rede social Twitter. O pedido de desculpas não evitou uma chuva de acusações de insensibilidade, com muitos utilizadores de redes sociais a condenarem a partilha de imagens chocantes por um entertainer cujos seguidores são, em grande parte, crianças e adolescentes. Logan Paul tem 22 anos. 

“Lembro-me muitas vezes do alcance que verdadeiramente tenho e com um grande poder vem uma grande responsabilidade… pela primeira vez na minha vida lamento dizer que lidei com esse poder de forma incorrecta. Não voltará a acontecer”, declarou Logan Paul à data.

No entanto, apesar de garantir que tinha aprendido com o "maior erro da sua vida" e ter "crescido com a experiência dos seus erros", o regresso de Logan Paul foi pouco pacífico. As críticas começaram logo no seu primeiro vídeo de regresso. No vídeo de menos de 30 segundos, Paul surge a sair de uma gruta enquanto um narrador relata o regresso “da lenda e do mito” do YouTube.

O vídeo foi comentado por vários internautas que não esconderam o cepticismo em relação a uma eventual correcção do comportamento do youtuber.

Pelo meio, um comentário de Logan Paul a uma publicação de Instagram da rapper Cardi B também irritou os mais atentos. Na imagem, a cantora legenda “Eles tentam crucificar-me como fizeram a Cristo” (they trinna [sic] crucify me like they did [to] Christ). Paul comenta “LOL a quem o dizes” (lawlz, u telling me). O papel de vítima adoptado por Paul foi duramente criticado. 

Agora, um dos vídeos desta semana voltou a colocar Logan Paul no centro das críticas. Em causa está um segmento de um vídeo com o título Apanha estes ratos. Nas imagens, Logan Paul electrocuta ratos mortos com um taser e brinca com um peixe vivo, fora de água, a quem simula estar a prestar reanimação cardiopulmonar.

Entre as críticas estão organizações de defesa dos direitos dos animais, nomeadamente a associação norte-americana PETA, que considera o comportamento de Logan Paul “imperdoável". “Yo, Logan Paul: a morte não é uma piada. Explorar corpos mortos para visualizações é perturbador”, lê-se numa das mensagens da associação.

“Quantas mais oportunidades tem Logan Paul? [A] PETA considera repugnante que esta personalidade da internet, com milhões de seguidores impressionáveis, não tenha aprendido a lição de que apenas existe tristeza, e não humor, na morte de outros”, continua a associação, que pede ao YouTube para tomar uma atitude em relação a um dos entertainers mais influentes da actualidade segundo a revista Forbes.

A decisão chegou esta sexta-feira. "Depois de uma consideração cuidada, decidimos suspender temporariamente os anúncios nos canais de YouTube do Logan Paul. Esta não é uma decisão que tenhamos tomado de ânimo leve, mas acreditamos que [Logan Paul] exibiu um padrão de comportamento nos seus vídeos que torna o seu canal não só pouco aconselhável para os anunciantes como ainda potencialmente danoso para a comunidade de criadores", pode ler-se no comunicado do YouTube, citado pelo The Verge.

Esta é a medida mais radical adoptada pela plataforma em relação a Logan Paul. Antes, a plataforma vídeo YouTube já tinha sancionado o norte-americano afastando-o de dois projectos e cortando a sua exposição publicitária, excluindo-o do portefólio “Google Preferred”, um serviço que oferece aos anunciantes acesso a 5% dos conteúdos mais vistos do YouTube.

Apesar das polémicas, o número de subscritores do youtuber cresceu. Logan Paul tem actualmente mais de 16 milhões de fãs no seu canal. Mais um milhão de seguidores do que tinha no início de Janeiro deste ano.