Um homem com 400 mil anos que viveu nas planícies do Tejo voltou a casa

Quando se tem oportunidade de analisar um fóssil com 400 mil anos, o menos importante é saber o que vamos chamar ao homem a quem pertenceu. Isto é o que defende o paleoantropólogo que o esteve a estudar em Espanha desde o Verão de 2014. O fóssil regressou agora a Portugal e vai ser exposto.

Fotogaleria
O fóssil é o lado direito do crânio e corresponde a cerca de um terço do total Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Alguns elementos da equipa (da esq. para a dta.): Elena Santos, João Zilhão, Maria Cruz Ortega (Maicu) e Juan Luis Arsuaga Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Um biface em quartzito encontrado na gruta da Aroeira Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Uma das várias mandíbulas que a equipa do Museu Nacional de Arqueologia está a tratar para a exposição que deverá abrir no segundo semestre deste ano Nuno Ferreira Santos

Sobre a mesa há ossos em saquinhos, uns já prontos para exposição, outros ainda à espera da intervenção dos técnicos. São mandíbulas de cavalo e de veado, fragmentos de tartaruga, rinoceronte e auroque, um boi selvagem de grandes dimensões declarado extinto no século XVII, todos eles animais que andariam pelas planícies do Tejo há milhares de anos, todos eles encontrados na Oliveira, uma das grutas do complexo arqueológico da nascente do Almonda. “Falta o macaco”, diz o arqueólogo João Zilhão, apontando para aqueles restos de fauna. “Encontrámos uma mandíbula no Verão, na Aroeira.”

Foi também na Aroeira, outra das grutas do mesmo complexo, que em 2014 a equipa dirigida por este especialista em evolução localizou aquele que é o mais antigo fóssil humano descoberto em Portugal – um crânio com 400 mil anos que esteve nos últimos três anos e meio em Espanha para ser estudado e restaurado e que acaba de regressar ao país. Está agora no Museu Nacional de Arqueologia (MNA), em Lisboa, onde fará parte de uma exposição a inaugurar no segundo semestre de 2018 e que mostrará também o esqueleto da criança do Lapedo, sepultada há 25 mil anos no abrigo do Lagar Velho, perto de Leiria, e encontrado há precisamente duas décadas.

“Ter numa mesma exposição o menino do Lapedo e o crânio da Aroeira vai ser muito importante”, diz António Carvalho, director do MNA. “Vai mostrar o que significa o nosso território no estudo da evolução e, ao mesmo tempo, o quanto se avançou nesse estudo.”

Desde 1998, quando o menino do Lapedo lançou um aceso debate entre os especialistas ao levantar a possibilidade, entretanto confirmada, de um cruzamento entre o Homo sapiens (o homem moderno, a nossa espécie) e o homem de Neandertal, já muito se descobriu sobre os antepassados do homem moderno, mas muito há ainda a fazer.

O arqueólogo João Zilhão e o paleoantropólogo Juan Luis Arsuaga, catedrático da Universidade Complutense e director do Museu da Evolução Humana de Burgos, intimamente ligado às escavações da serra de Atapuerca, um dos sítios arqueológicos mais importantes do mundo, estão entre os que há décadas se dedicam ao estudo das origens e dos comportamentos humanos. Fazem parte da equipa internacional que tem vindo a analisar em detalhe os materiais saídos do Almonda, onde Zilhão escava desde o final dos anos 1980, sempre com o apoio da Sociedade Torrejana de Espeleologia e Arqueologia (foi o seu fascínio por grutas, aliás, que o levou para aquela zona, quando era ainda adolescente). Com eles estão paleontólogos, antropólogos e arqueólogos como Elena Santos, Joan Daura, Montserrat Sanz, Alistair Pike e Maria Cruz Ortega.

Foi esta última, a quem todos chamam Maicu, a conservadora-restauradora que deu ao crânio do Almonda, um dos fósseis humanos mais antigos e mais completos da Europa, o aspecto que tem hoje. Talvez por isso não se canse de olhar para ele, acedendo pacientemente a todos os pedidos de fotógrafos e repórteres de imagem para que o exponha à luz desta ou daquela maneira.

“Foi o trabalho mais difícil que já fiz”, dirá mais tarde, sentada a uma mesa com outros membros da equipa, procurando explicar o que foi feito com o fóssil em Madrid desde o Verão de 2014. “Estivemos mais de dois anos e meio só para o retirar do bloco em que vinha”, começa por explicar.

Por ser demasiado grande e compacto, o bloco de pedra que os arqueólogos tiraram da gruta quando a campanha daquele ano se aproximava já do fim não pôde ser sujeito a uma tomografia axial computadorizada (TAC), exame que permitiria saber a posição exacta do fóssil e os seus limites. “Como não tínhamos possibilidade de ver que osso havia ainda na pedra porque os raios X não passavam, tivemos de avançar com brocas muito pequenas, desbastando-a pouco a pouco, sempre sob uma lupa.”

Milímetro a milímetro

João Zilhão diz que a opção foi retirar da parede da gruta um bloco tão grande quanto possível, porque era impossível saber se o fóssil estava completo ou se a mandíbula se teria separado. Certo era que uma das últimas marteladas da campanha daquele ano tinha esburacado um crânio humano.

“Depois foi preciso avançar com muito cuidado no laboratório. Milímetro a milímetro e às vezes menos”, acrescenta, falando de um trabalho de eliminação extremamente minucioso. “A Maicu teve de ser mesmo muito paciente.”

O osso frontal, por exemplo, é tão fino devido à erosão que qualquer pressão poderia provocar fracturas, explica a técnica espanhola. “Há partes do crânio em que o osso tem um milímetro e meio de espessura. […] Mas no final estava tão mineralizado que pudemos fazer uma boa reconstituição.”

O fragmento que hoje vemos, o lado direito do crânio, corresponde a cerca de um terço do total, esclarece João Zilhão. Para se ter uma ideia do aspecto geral é preciso obter boa parte do que falta por simetria e criar um modelo 3D, um processo habitual nestes casos.

Para a equipa, que não sabia com que espécie estava a lidar, “foi muito interessante ir descobrindo pouco a pouco o que poderia ser”, acrescenta Maicu. Mas “o que poderia ser” tem ainda muito espaço para debate. Menos complexo é dizer, para já, o que não é: “Não é um erectus, não é um sapiens e de Neandertal tem muito pouco ou nada”, garante o especialista em Antropologia Física Juan Luis Arsuaga.

Os fósseis do mesmo período recebem habitualmente a designação de Homo heidelbergensis, criada tendo por base o fóssil de uma mandíbula, mas seria estranho aplicá-la aqui quando ao crânio da Aroeira falta precisamente a mandíbula, esclarece. “Dar-lhe um nome é o que menos interessa”, o que importa é tentar perceber que lugar ocupa na linha da evolução humana.

“Para já, sabemos que está depois do erectus [existia há um milhão de anos], que viveu numa época quente e que pode ter nascido antes da separação que dará origem aos Neandertais na Europa e aos sapiens em África. Este fóssil pode estar na base dessa divergência e é por isso que a Aroeira é tão interessante – está numa fase de transição. Agora temos de aprofundar os estudos para saber se este crânio está mesmo em cima da divergência, um pouco antes ou já um pouco depois [no braço Neandertal]”, explica, desenhando um esquema num papel e explicando que o fóssil pertence ao Plistocénico Médio (período geológico entre os 700 mil e os 125 mil anos atrás), uma “espécie de Idade Média da pré-história”, “obscura”, sobre a qual se sabe ainda muito pouco.

O que os cientistas já dão por certo é que o Aroeira 3, assim se chama formalmente, é muito importante por três razões: pela sua antiguidade, pelo facto de ser o fóssil humano mais ocidental da Europa e porque o seu contexto arqueológico é muito claro, explicou à agência de notícias EFE Arsuaga, co-director das escavações de Atapuerca, no passado mês de Março, quando o estudo completo foi publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), a revista oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos

Um homem da planície

Do contexto arqueológico vêm também os bifaces em sílex ou quartzito que a equipa do Museu Nacional de Arqueologia já começou a tratar para a exposição. A proximidade destas ferramentas da cultura acheulense do fóssil mostra-nos, explicou Zilhão ao PÚBLICO no Verão, numa visita guiada às grutas da nascente do Almonda, que o homem de há pelo menos 400 mil anos já dominava esta indústria lítica, assim como a presença de ossos queimados indica que já era capaz de controlar o fogo.

“Isto na Aroeira é gente da bacia do Tejo. O crânio pertenceu a um homem das planícies que de vez em quando se abrigava nas grutas, provavelmente para fugir ao calor”, insiste agora o arqueólogo português, que tem vindo a defender que há 400 mil anos não há senão uma espécie humana e que mesmo a ideia de que os Neandertais e os homens modernos competiram até que só os segundos sobreviveram não faz sentido.

“Não há nesta posição nenhuma divergência de opinião entre nós [Zilhão e Arsuaga] porque estamos a falar de morfoespécies”, diz. “Quando fazemos comparações, temos de nos perguntar: será a humanidade actual um bom padrão? Será que somos hoje anormalmente homogéneos ou éramos no passado demasiado diferentes morfologicamente? Estas são questões científicas, mas também filosóficas. Falta-nos reunir muita informação, é verdade, mas também nos falta reflectir muito. […] Se aceitarmos que Neandertais e sapiens são a mesma espécie, mas linhagens diferentes, teremos de discutir se o momento da divergência de que fala o Juan Luis é importante ou não.”

Para fazer comparações eficazes e saber mais sobre a relação entre o crânio da Aroeira e a divergência Neandertal-homem moderno, diz Arsuaga, precisaríamos de uns 12 fósseis completos, com cara e mandíbula. Sentada à mesa, a paleontóloga Elena Santos sorri perante esse cenário, recordando que em Atapuerca foram encontrados 30 indivíduos – um achado absolutamente extraordinário – mas que apenas três dos crânios estão completos.

Seja como for, diz o director do Museu Nacional de Arqueologia, é preciso partilhar com o público as “descobertas extraordinárias” dos últimos 20 anos. A exposição A Evolução Humana: Do Crânio da Aroeira à Sepultura do Lapedo (nome provisório), deverá ser montada com o apoio da Câmara Municipal de Torres Novas, entidade que tem vindo a apoiar com grande entusiasmo e ao longo dos últimos anos as escavações no Almonda. “Mais uma vez, como em 30 exposições desde 1997 [Leceia, povoado pré-histórico do concelho de Oeiras], uma autarquia vai ser determinante para a programação deste museu”, garante António Carvalho.

Ainda sem data marcada porque nem todo o financiamento está garantido, a exposição tem já o guião fechado. Como vai ser? “Ainda é cedo para falarmos em pormenor. O que podemos dizer é que será muito importante para o museu, sobretudo tendo em conta que não temos aqui uma exposição permanente que conte como evoluiu a ocupação do nosso território.”