Opinião

Um ano de trombas

Passado um ano, a pergunta que podemos fazer a Trump — como aos brexiteiros no Reino Unido — é a seguinte: porquê as trombas? Vocês ganharam. Porque não estão felizes?

Anteontem subiu para falar ao pódio do Parlamento Europeu o primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar.

Varadkar é um dos dois chefes de governo na Europa com ascendência indiana (o outro é António Costa, de Portugal). É um de dois chefes de governo na Europa assumidamente homossexual (o outro é Xavier Bettel, do Luxemburgo). E discursou em inglês, francês, alemão e gaélico. Multiétnico, poliglota e homossexual, Leo Varadkar representa tudo aquilo que os nacional-populistas detestam. Pior ainda para eles é aquilo que um discurso como o de Leo Varadkar deixou claro: que o poder de um pequeno país como a Irlanda é extraordinariamente potenciado por pertencer a uma União Europeia de 500 milhões de cidadãos.

Vale a pena lembrá-lo hoje. Há um ano, quando Trump tomou posse, ouvimos um outro discurso, de um nacionalismo triunfante, agressivo, cheio de certezas. Para Trump, como para os nacional-populistas de todas as estirpes, os países não têm amigos; o mundo está compartimentado em jurisdições estanques cuja soberania nunca pode ser partilhada (porque partilhar é perder); a solidariedade internacional é, pois, por definição impossível. O futuro pertencia aos países fortes liderados por homens fortes: os Putin, Erdogan, etc. Organizações transnacionais como a União Europeia estariam inevitavelmente fadadas ao fracasso. O "Brexit" teria provado isso um ano antes, e em breve os países fariam fila para abandonar o projeto europeu. Duas vitórias eleitorais num ambiente de demagogia descontrolada teriam chegado para que os nacional-populistas e aqueles que por eles se deixaram impressionar nos falassem de cátedra.

Passado um ano, a pergunta que podemos fazer a Trump — como aos brexiteiros no Reino Unido — é a seguinte: porquê as trombas? Vocês ganharam. Porque não estão felizes?

No caso de Trump, não se trata só do facto de o grupo de ideólogos à sua volta ter acreditado que estava a surfar a onda do “sentido da História” e agora se ver sem história nem sentido. Ora, Trump não quer só ganhar; ele quer ser respeitado. O risco para o futuro é que, sentindo-se menosprezado, Trump decida expressar o seu ressentimento através de um ato de guerra: se fora do seu círculo ninguém o adora nem respeita, ao menos que tenham medo dele. O rancor é um móbil central na política trumpiana e não devemos nunca duvidar daquilo que o seu rancor é capaz de fazer.

No caso do "Brexit", o discurso de Varadkar sugere outras pistas de interpretação. Quem vos parece estar mais ao controle da situação: o líder da pequena Irlanda ou os líderes, quem quer que eles sejam, do Reino Unido do "Brexit"? Ao falar no Parlamento Europeu Varadkar não precisou de o relembrar, mas toda a gente sabe que a Irlanda tem um veto pronto a usar nas negociações do "Brexit", principalmente nas questões que têm a ver com a Irlanda do Norte — se olharmos para a história da Irlanda, rapidamente veremos que talvez nunca este país tenha tido como hoje capacidade para impor condições ao Reino Unido que antes o colonizou e oprimiu.

As conclusões a retirar são pois as contrárias daquelas que os nacional-populistas se habituaram a matraquear. Sim, a verdade é que os países também precisam de amigos; tal como se passa com as pessoas, os países-amigos fazem-se ao saber ouvir os outros, entender os seus problemas, colaborar para os resolver. Sim, a verdade é que partilhar soberania significa ganhar mais margem de manobra ao nível internacional, e portanto construir soberania agregada. Sim, a verdade é que a solidariedade internacional não é um mito, mas uma arte a ser aperfeiçoada — como a Irlanda tem exemplificado nos últimos tempos. Os países que negam estas verdades para satisfazer o cinismo dos seus políticos vêem-se muito rapidamente a falar sozinhos, a brandir ameaças, mais tolerados do que verdadeiramente apreciados.

Foi um ano de aprendizagem, este. A verdade é que ao fim dele os nacional-populistas, que tão ruidosamente ganharam, continuam de trombas como antes. Já aqueles que se revêem no internacionalismo talvez tenham, pelo contrário, algumas razões para sorrir.