Caracas confirma morte de Óscar Pérez, líder do grupo rebelde do helicóptero

Grupo dissidente de agentes da polícia rebeldes, liderado por Óscar Pérez e responsável por um ataque com um helicóptero roubado, foi desmantelado durante uma operação das forças de segurança.

Perez publicou um vídeo nas redes sociais durante a operação policial que culminou com a sua morte
Foto
Pérez publicou um vídeo nas redes sociais durante a operação policial que culminou com a sua morte Reuters/REUTERS TV

O Governo venezuelano confirmou esta terça-feira que Óscar Pérez, o antigo agente da polícia que liderava o grupo rebelde responsável pelo ataque a vários edifícios governamentais em 2017 com um helicóptero, morreu durante a operação policial desta segunda-feira.  

A confirmação da morte de Perez foi dada pelo Néstor Reverol, ministro do Interior, Justiça e Paz venezuelano. Reverol garantiu ainda que a localização do antigo agente da polícia foi encontrada graças a informações oferecidas por dirigentes da oposição que se encontram em negociações com Nicólas Maduro.

O antigo polícia estava em parte incerta desde o Verão, depois de ter liderado um ataque com um helicóptero roubado contra vários edifícios governamentais, incluindo o Supremo Tribunal de Justiça. O Presidente Nicólas Maduro garantiu na altura que iria utilizar todas as forças disponíveis para encontrar os responsáveis por aquilo que considerou ser um “acto terrorista”.

Nesta segunda-feira, numa operação policial na zona de El Junquito, a oeste de Caracas, o grupo dissidente foi desmantelado. As autoridades confirmaram logo nesse dia a detenção de cinco pessoas e várias mortes, incluindo de dois agentes da polícias. No entanto, o destino de Óscar Pérez não tinha sido revelado até agora.

Durante o avanço das forças de segurança venezuelanas, Pérez publicou um vídeo nas redes sociais onde surgiu visivelmente ferido e onde garantia querer entregar-se, apelando a que as autoridades parassem de disparar. Néstor Reverol negou nesta segunda-feira esta versão, garantindo que o grupo resistiu à detenção.