Entrevista

"Há aqui uma oportunidade de o dinheiro mudar de mãos"

Sebastião Lencastre, co-fundador da tecnológica financeira nacional Easypay, critica o atraso na transposição da directiva europeia dos pagamentos electrónicos, a PSD 2.

Foto
"Quem for mais ágil, rápido e assertivo será vencedor", diz Sebastião Lencastre ROBERT GALBRAITH/REUTERS

A Easypay é uma das 11 empresas já autorizadas a realizar operações de pagamento em Portugal, no âmbito da nova directiva, de acordo com informação obtida pelo Jornal de Negócios. Esta tecnológica financeira (fintech), criada em 2017, já oferece numa única plataforma vários serviços de pagamento electrónico, mas ainda através de cartões de débito e crédito ou transferências. Aproveitando a porta aberta pela PSD 2, Sebastião Lencastre, co-fundador e CEO da empresa, deu um passo em frente, criando a abypay, com tecnologia blockchain (a mesma das moedas virtuais), para garantir, em segundos, transferências bancárias, reembolsos e serviços de pagamento online. Ex-quadro da Unicre, entidade especializada na emissão e gestão de cartões de crédito, Sebastião Lencastre respondeu, por escrito, a algumas perguntas do PÚBLICO.

Como vê o atraso na transposição da PSD 2?

Eu olho para este atraso com alguma amargura. Não só pelo facto de a comunidade europeia ter dado dois anos para a transposição da directiva, o que me parece ser tempo mais do que suficiente para o fazer, mas também porque olho para o meu país e vejo a incapacidade de fazer aquilo que os restantes países da Europa estão a fazer. Outras entidades europeias foram competentes e deram importância a esta directiva, para que fosse transposta a tempo. Tanto é assim que já existem mais de 580 bancos a funcionar com a PSD 2.

Sem a regulamentação do acesso às contas dos clientes, que a SIBS está a preparar, o campo de acção das fintech está limitado. Qual é a expectativa que tem para poder oferecer serviços de pagamento em pleno?
A Easypay espera que seja no final do primeiro semestre. Obviamente que a SIBS, pelo facto de a maioria dos principais bancos lhe terem encomendado esta compatibilidade, está condicionada pelo cumprimento do prazo que será em Maio de 2018. Porque tendo consciência que 95% das transacções electrónicas são domésticas, se não tivermos os bancos a participar nelas, elas não existem.

O que é que vai mudar para empresas e particulares ao nível da rapidez, custo e segurança?
Enquanto particulares estamos habituados a que tudo seja rápido, aliás, instantâneo. Nós temos dificuldade em entender como é que uma transferência bancária não é instantânea e a PSD 2 vem obrigar os bancos e as suas instituições parceiras a fornecerem este serviço aos seus utilizadores. Quanto aos custos, eu defendo que os serviços têm de ser pagos, ou seja, não tem de ser gratuitos e a expectativa dos consumidores é que assim seja. A solução tem de existir. Se tenho pressa em fazer que o movimento electrónico chegue ao destino, pago esse preço. Caso contrário, terei outras opções. Por fim, em termos de segurança, pelo facto de termos de utilizar uma autenticação forte em que todas as transacções são autenticadas pelo titular, garante que seja o utilizador a controlar quem efectua movimentos na sua conta.

Que impacto negativo ou positivo pode ter a PSD 2 nos bancos tradicionais?
Há uma oportunidade para todos. Estamos todos no mesmo ponto de partida, bancos e fintechs. Mas quem for mais ágil, rápido e assertivo, será vencedor. Há aqui uma clara oportunidade de o dinheiro mudar de mãos. Não na totalidade, porque as fintechs não podem conceder crédito, pelo que os bancos serão sempre necessários.

A Easypay admite oferecer serviços a bancos tradicionais?
Claro que sim e já estamos a falar com alguns para fornecer estes serviços, dotando-os desta agilidade e rapidez.

É expectável que os meios de pagamento tradicionais, como os cartões de débito e crédito, ou o recurso a operações nas caixas automáticas, acabem?
Parece-me claro que sim. Sou da opinião que daqui a cinco anos vamos mudar a forma como pagamos. Durante 2018 vamos fazer as primeiras experiências de pagamentos sem cartões e, se a experiência for boa, o que acredito que sim, rapidamente deixamos de usar o cartão. A questão das ATMs [multibancos] também poderá ser reduzida, porque se tenho uma forma mais fácil de fazer pagamentos de pequenos montantes, deixo de ter a necessidade de levantar dinheiro.

Com esta directiva cria-se um verdadeiro mercado único de serviços de pagamentos?
Claramente. Não tenho dúvidas em relação a isso. O facto de poder enviar dinheiro para qualquer conta da Europa, em segundos, faz toda a diferença em relação à realidade de hoje.