Crítica

A vida da palavra amorosa

Nenhuma personagem consegue elidir o peso de ser personagem-discurso.

Fotogaleria
Angústias sentimentais de Juliette Binoche
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Com inspiração nos Fragmentos de um Discurso Amoroso de Roland Barthes (os “pensadores” nunca estão muito longe do cinema de Claire Denis), Um Belo Sol Interior é uma espécie de ensaio sobre as angústias afectivas e sentimentais de uma mulher (Juliette Binoche), exponenciadas pelo medo de estar prestes a bater na “parede” (expressão da personagem para o receio da existência de um limite etário para as histórias passionais). Numa estrutura que elide boa parte das cenas de causalidade, vemo-la de encontro em encontro, normalmente frustrado, a fazer crescer um desespero manso que de quando em quando explode em lágrimas.

Não chega a ser “melodrama”, porque para Claire Denis a sua personagem central (e todas as outras) é acima de tudo uma espécie de plataforma reflexiva, um posto de observação para diferentes atitudes e discursos sobre o amor e as relações afectivas. Apesar da entrega de Binoche (que nunca será uma Huppert mas está a fazer uma transição relativamente arriscada para a “meia idade”), nem ela nem os seus vários coadjuvantes masculinos conseguem elidir o peso de serem, essencialmente, personagens-discurso, personagens que valem pelas palavras que dizem (algumas delas directamente pescadas em Barthes), e cujo valor é servirem de representação de uma perspectiva, de uma atitude, enfim, de um discurso. Que não ignora, como habitualmente em Denis, a questão social – e se este é um filme bastante “burguês” para os parâmetros habituais da realizadora, com as suas personagens oriundas do meio artístico e intelectual parisiense, a questão da “classe” pôe-se mais do que uma vez, em especial no episódio na discoteca de província, de onde a protagonista “arranca” um relacionamento com um homem que pertence claramente a outro estrato social.

Mas nem essa personagem (a mais intrigante de todas) vive realmente, são sempre sombras, e mesmo se o filme arranca com uma cena de sexo pouco convencional (a cena, não o sexo) vai-se tornando bastante óbvio que falta “carne” à altura de tanta palavra. Carne e vida: pode-se comparar este tipo de estrutura, baseado em longas cenas de diálogo entre pares de personagens, com as dos filmes de Hong Sang Soo (como por exemplo O Dia Seguinte, que está em exibição), e constatar o óbvio – que nada disto se compara com a vida que existe num único plano de Hong, que ao contrário de Denis nunca faz o seu cinema derivar da teoria.