Em protesto contra o assédio sexual, actrizes vão vestir de preto nos Globos de Ouro

Gesto de solidariedade para com as vítimas de crimes sexuais deverá ser repetido noutras cerimónias em 2018.

Foto
Jessica Chastain, que está nomeada para os Globos de Ouro, é uma das actrizes que mais se tem pronunciado publicamente contra o assédio sexual Reuters/ERIC GAILLARD

A passadeira vermelha dos próximos Globos de Ouro, em 2018, será marcada por tons de preto. Segundo a imprensa norte-americana, várias actrizes deverão escolher aquela cor como uma forma de protesto e em sinal solidariedade para com as vítimas de assédio sexual em Hollywood.

Esta será a primeira cerimónia dos Globos de Ouro depois da revelação do escândalo de crimes sexuais protagonizado pelo influente produtor cinematográfico Harvey Weinstein, entretanto seguida de uma torrente de denúncias contra nomes influentes de Hollywood e de outros sectores da sociedade norte-americana. 

Uma das actrizes nomeadas para os Globos de Ouro, Jessica Chastain, que tem escrito sobre o caso Weinstein, disse estar a par do protesto e desafiou também os homens a assumirem uma posição pública. "Estou cansada de ver a imprensa exigir que apenas as mulheres falem. E quanto aos homens? Talvez muitos tenham medo de olhar para o seu próprio comportamento", defendeu.

Segundo a The Hollywood Reporter, os looks vão simbolizar a igualdade de género. À Entertainment Weekly, uma fonte acrescentou que esta aesthetic noir pode continuar a marcar outras cerimónias de prémios em 2018. E há outro tipo de acções planeadas. Nos Screen Actors Guild Awards, por exemplo, só serão permitidas apresentadoras femininas, em mais um gesto de solidariedade para com as vítimas.