Centenas prestaram homenagem ao som de O Homem do Leme

Presidente da República "emocionado" com a missa de corpo presente do guitarrista que morreu nesta quinta-feira, aos 61 anos. Muitas figuras públicas e amigas de Zé Pedro compareceram neste sábado para um último adeus ao artista.

Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS

Centenas de pessoas aplaudiram o guitarrista Zé Pedro à saída do corpo, neste sábado, do Museu dos Coches, em Lisboa, ao som da música O Homem do Leme. Por volta das 13h15, o cortejo fúnebre partiu do antigo edifício do Museu dos Coches, que esteve encerrado apenas para familiares e amigos.

Quando, no exterior, começou a ser tocada a música da banda e o caixão saiu, as centenas de pessoas que entretanto se foram juntando na entrada aplaudiram e cantaram em coro. O cortejo fúnebre seguiu depois a pé até ao Mosteiro dos Jerónimos, onde a missa de corpo presente se realizou a partir das 13h30.

Pelo caminho, populares que se juntaram ao longo da estrada foram aplaudindo, os turistas perguntavam quem tinha morrido e até os funcionários dos Pastéis de Belém saíram para a rua para homenagear o guitarrista.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assistiu "emocionado" à missa de corpo presente, uma cerimónia que considerou "muito tocante" e "participativa", durante a qual foram cantadas músicas dos Xutos & Pontapés. Marcelo saiu do Mosteiro dos Jerónimos, no final da missa, por volta das 15h00, acompanhado pelo primeiro-ministro, António Costa.

"Foi uma missa muito tocante e muito participativa, tanto pelas palavras do padre, muito próximas da vida de Zé Pedro e do fenómeno rock", como pela cerimónia em si, disse Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando que foram "cantadas algumas músicas dele ao longo da missa". Para o Presidente da República, um dos momentos mais bonitos foi a "intervenção final de evocação de Zé Pedro".

Dos Jerónimos, a urna saiu alguns minutos depois das 15h, sob uma enorme salva de palmas das centenas de pessoas que se juntaram na rua para a última homenagem a Zé Pedro, e ao som da música Para sempre. No exterior do mosteiro, a urna foi colocada em cima de um grande altar dourado e rodeada por familiares e amigos de Zé Pedro, com os companheiros da banda alinhados à frente.

O funeral realizou-se depois no cemitério dos Olivais, também em Lisboa.

A despedida a um “grande amigo”

Horas antes, ainda nos Jerónimos, muitas figuras públicas, amigas de Zé Pedro, compareceram neste sábado para o último adeus. "Ele era um dos melhores de nós", disse o músico Adolfo Luxuria Canibal, visivelmente emocionado, enquanto Jorge Palma, com a voz embargada, foi incapaz de dizer mais do que: "Venho despedir-me de um grande amigo".

Tó Trips, Kalu e os restantes elementos da banda Xutos & Pontapés foram outros dos músicos que marcaram presença nas cerimónias fúnebres do guitarrista.

O deputado do PCP António Filipe não quis também deixar de homenagear o músico, recordando os "anos inesquecíveis" em que os Xutos encerraram a Festa do Avante. "Venho prestar a minha homenagem, mas não a última porque o Zé Pedro vai continuar muito presente pela obra que deixa", afirmou, lembrando que os Xutos atravessam e vão continuar a atravessar muitas gerações.

O guitarrista dos Xutos e Pontapés morreu na quinta-feira, aos 61 anos. Zé Pedro estava doente há vários meses, mas a situação foi sempre mantida de forma discreta pelo grupo, só tendo sido assumida publicamente no passado dia 4 de Novembro, no derradeiro concerto do músico, no fecho da digressão dos Xutos & Pontapés, no Coliseu de Lisboa.

No final na década de 1970, Zé Pedro, com Zé Leonel e Paulo Borges, criou a banda Delirium Tremens, que mais tarde passou a chamar-se Xutos & Pontapés, com a entrada de Kalú e de Tim, para o lugar de Paulo Borges. O primeiro concerto dos Xutos & Pontapés realizou-se a 13 de Janeiro de 1979, nos Alunos de Apolo, em Lisboa.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações