Editorial

Os parolos e os pacóvios

A verdade é que foi preciso chegar a Portugal alguma cultura de empreendedorismo para deixarmos de censurar os falhanços e de envergonhar quem ousa tentar.

Termina hoje, em Lisboa, um evento que reuniu no mesmo local o secretário-geral das Nações Unidas, um ex-vice-presidente norte-americano, um ex-Presidente francês, dois comissários europeus, uma mão-cheia de primeiros-ministros europeus, mais dúzias de atletas olímpicos, actores, diplomatas, jornalistas, astronautas e empreendedores. Para quem ainda não sabe, a Web Summit é muito mais do que uma feira de tecnologia: é uma reunião de figuras importantes que discute, de forma mais descontraída, alguns dos temas importantes para o mundo.  

Presumir que este evento é mau, que não temos nada a aprender com nenhuma destas pessoas é o melhor exemplo da arrogância pacóvia que passa bem nas redes sociais e na televisão, mas que dispensa a utilização do conteúdo da caixa craniana. Claro que não precisamos de ir à Web Summit para sermos felizes. Para isso também não é preciso ir à escola, ler livros, ouvir música, ver cinema, conversar com amigos ou viajar. Mas há muito boa gente que aprende alguma coisa no contacto com estas pessoas, que tem a ganhar com a presença neste evento que é muito mais do que uma feira de vaidades tecnológicas.

É óbvio que a Web Summit é um negócio. E é um bom negócio, que dá lucro e que muito beneficia os empreendedores privados portugueses — quer os do turismo tradicional quer os inovadores da economia digital. Claro que poucos ficam milionários na economia digital, mas muitos conseguem sustentação para tentar novos negócios e experiências durante um par de anos ou meses. Outros ainda menos, mas a verdade é que foi preciso chegar a Portugal alguma cultura de empreendedorismo para deixarmos de censurar os falhanços e de envergonhar quem ousa tentar. Porque a regra continua a ser a cultura do respeitinho, do assalariado que obedece sem fazer perguntas nem corre riscos. E isso tem ajudado a manter a nossa economia em baixo, em contraciclo com outros países bem mais dinâmicos. Não se trata de glorificar a economia virtual das apps e das startups, trata-se de perceber que há várias formas de criar riqueza e de fazer carreira e que se ficarmos presos ao mecanismo tradicional de fazer as coisas, estamos a condenar a nossa economia — que muito precisa de diversificação.

É também óbvio que um acontecimento que traz a Portugal tanta gente de renome e que congrega mais de oitenta mil participantes tem de ser contado e recontado nos media. Precisamente porque o bilhete é caro e porque nem todos podem aceder à experiência, é importante transmiti-la a quem a queira conhecer. Mas, como todos os outros temas de que falam os meios de comunicação, é possível evitá-lo. Basta enfiar a cabeça na areia, hábito conveniente quando não queremos mesmo aprender nada. E seria uma pena, porque há muito para aprender nas conversas que passam por Lisboa.