“A televisão é para pessoas mais velhas”

O jornalismo tem que voltar à receita básica para se diferenciar, foi defendido hoje na Web Summit. Mas, “sob fogo”, os media vão ter de se comprometer para captar as gerações mais jovens

Ricardo Lopes
Foto
Ricardo Lopes

 “Sem mencionar o presidente [dos EUA], qual foi para vós a coisa mais importante que aconteceu na área dos media” nos últimos tempos? A pergunta, do redactor da revista The Atlantic, Vann R. Newkirk, foi feita manhã desta quarta-feira a Cenk Uygur e a Joe Pounder, durante a Web Summit, no painel “Os media sob fogo”.

Joe Pounder, presidente do organismo Definers Public Affairs, uma consultora na área de comunicação e ex-conselheiro do senador republicano Marco Rubio, destacou, em primeiro lugar, a “imprevisibilidade” da duração de uma notícia. “Podem ser 15 minutos, podem ser cinco dias – é imprevisível” saber quanto tempo irá “durar” o interesse e a própria notícia.

Para Cenk Uygur, criador do The Young Turks, programa noticioso online que alega ter 200 milhões de visitas por mês, foi na televisão que houve maiores mudanças. A televisão americana perdeu 40% dos seus telespectadores com menos de 25 anos – “a televisão é para pessoas mais velhas”, defendeu o orador.

Partindo desta premissa, e tentando atrair ainda mais subscritores, Cenk Uygur resumiu: “os millennials não gostam de tv e já não acreditam [nela]”. Uygur, que falava essencialmente a partir do exemplo dos EUA, defendeu que os media tradicionais “acreditam na manutenção do status quo político, urbano – não querem a mudança” e, por isso, advoga, “perderam a credibilidade”.

É nesta altura, defendeu o anfitrião do programa online “Os jovens turcos”, que surge uma “oportunidade” para novas vozes, não tradicionais, de informação, nem sempre jornalística, que defendem que “eles [os media convencionais] estão a mentir” porque estão comprometidos com o regime, “deixem-me vos dizer a verdade”, argumentam os novos protagonistas de media.  

É por isso que contra um jornalismo “neutro”, de indiferente, que se limita a dizer quem ganhou e perdeu numa eleição como num jogo de futebol;, ou contra um jornalismo “objectivo” que, ainda assim, não se compromete;  Uygur defendeu o “seu” jornalismo: o que chamou de “prospectivo”, “que pede que nos preocupemos”, “porque somos activistas”.   

“Back to basics”

Joe Pounder, por seu turno, sugeriu que os jornais (os exemplos foram igualmente norte-americanos: New York Times, Washington Post e The Atlantic), com “credibilidade” no mercado, têm que voltar ao básico. “Fazer reportagem tradicional, com múltiplas fontes” é “diferenciar-se”, agora que os media tradicionais perderam a sua característica de “utilidade pública” e de “gatekeeper”.