Facebook e Google ajudaram a promover campanha anti-refugiados nos EUA

As equipas de publicidade das empresas trabalharam com um grupo conservador norte-americano para definir o público-alvo de um vídeo que promovia o medo a imigrantes e refugiados, com a Mona Lisa de burca.

As imagens queriam promover medo dos refugiados, ao mostrar imagens falsas dos refugiados em Paris
Foto
As imagens queriam promover medo dos refugiados, ao mostrar imagens falsas dos refugiados em Paris Reuters/BENOIT TESSIER

Uma campanha publicitária, a criticar a vinda de refugiados para os Estados Unidos, foi promovida por trabalhadores do Facebook e do Google durante as eleições norte-americanas. Os vídeos mostravam a Mona Lisa coberta com uma burca e crianças francesas a treinar para lutar pelo califado para desenvolver um medo da vinda de mais imigrantes e refugiados para o país. A informação foi avançada, esta quarta-feira, numa investigação da Bloomberg.

Ambas as empresas tecnológicas apoiam os refugiados publicamente: o Google doou mais de 20 milhões de dólares (cerca de 16 milhões de euros) a esforços para ajudar a crise dos refugiados e em 2015,e o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, prometeu introduzir a internet nos campos de refugiados das Nações Unidas. Porém, as equipas de publicidade de ambas as empresas terão feito o contrário.

O grupo conservador norte-americano Secure America Now – que apoia políticas anti-refugiados – terá sido considerado um cliente de relevo pelas equipas de publicidade de ambas as empresas tecnológicas, recebendo atenção e recomendações personalizadas sobre como atingir o seu público-alvo em troca de milhões de dólares. No final, anúncios a avisar sobre a criação de um alegado Estado Islâmico, em França e na Alemanha, foram apresentados em locais como o Nevada e a Carolina do Norte na esperança de influenciar a votação a favor de Donald Trump.

PÚBLICO -
Foto
Imagem do vídeo da Secure America Now

O PÚBLICO tentou contactar o Google, o Facebook e o Secure America Now para esclarecimentos, mas apenas recebeu uma resposta do primeiro até à hora de publicação desta notícia. Num email breve sobre o assunto, a equipa do Google não comenta o caso específico, mas escreve que tem políticas rigorosas em vigor sobre publicidade: “Aplicamos estas políticas vigorosamente. Quando encontramos anúncios que violam estas políticas, reprovamo-los de imediato e paramos de os mostrar.” O Google terá eventualmente bloqueado vários anúncios da Secure America Now por violar as suas políticas, incluindo o vídeo sobre a transformação de França num Estado Islâmico.

Em declarações ao Guardian, o Facebook também recusa comentar a parceria, mas acentua que não trabalhou directamente com a Secure America Now, apenas com a agência de publicidade responsável pela campanha, a Harris Media. Segundo a Bloomberg, a rede social terá utilizado a campanha publicitária para testar o novo formato de vídeos verticais.

O trabalho do Facebook e do Google com a Secure America Now dá novo gás às polémicas que têm atingido ambas as empresas no que toca à disseminação de informação falsa, particularmente, através de conteúdo publicitário. No mês passado, o Facebook foi criticado por permitir publicidade direccionada a anti-semitas (que utilizavam temas como “ódio a judeus” para se descreverem na rede social) e ambas as empresas estão envolvidas numa investigação do Congresso Norte Americano sobre operadores russos, que gastaram dezenas de milhares de dólares em anúncios para serem difundidos no Google e no Facebook durante as eleições presidenciais norte-americanas.

Sugerir correcção