Museu de Yves Saint Laurent abre ao público em Marraquexe

Depois de Paris, onde o designer vivia, é a vez de Marraquexe onde tinha a sua casa de férias.

Fotogaleria
Reuters/YOUSSEF BOUDLAL
Fotogaleria
Reuters/YOUSSEF BOUDLAL
Fotogaleria
Reuters/YOUSSEF BOUDLAL
Fotogaleria
Reuters/YOUSSEF BOUDLAL

Parte do legado da carreira de 40 anos de Yves Saint Laurent, de 1962 até 2002, seis anos antes de morrer, vai estar exposto no museu com o nome do criador em Marraquexe. A inauguração é nesta quinta-feira.

“Marraquexe ensinou-me a cor. Antes de Marraquexe tudo era negro”, confessou o designer que comprou uma casa de férias em 1966, na capital de Marrocos. A poucos passos da sua casa, a Villa Oasis, e mesmo ao lado do Jardim Majorelle encontra-se o museu construído em terracota e desenhado pelos arquitectos do Studio KO. Aqui estão expostos cerca de mil itens do trabalho de Yves Saint Laurent.

Este projecto da Fundação Pierre Bergé - Yves Saint Laurent foi liderado pelo companheiro de vida e de negócios do designer francês, Pierre Bergé, que morreu no início de Setembro deste ano. Assim que aquele terreno perto de casa do criador foi posto à venda, a fundação comprou-o.

A ideia surgiu em 2010, quando uma exposição temática sobre o criador francês esteve no Museu da Cultura Berbere, em Marraquexe. "Foi um sucesso, fez sentido construir um museu", justifica Björn Dahlström, director do novo museu, à Harper's Bazaar.

Para além deste espaço que vai ser agora inaugurado, há uma semana abriu em Paris o atelier do designer. "Os dois museus mostram a dualidade de Saint Laurent: as peças escuras e coloridas, o clássico e o barroco, a linha minimal, mas também a de inspiração árabe", enumera Dahlström.

O museu que se encontra na capital marroquina capta a carreira aventureira do costureiro, desde a primeira capa da revista Life dedicada ao seu trabalhoaté ao seu último desfile em 2008. Ali é possível ver a icónica colecção Mondrian de 1965, ou seja, os vestidos de cocktail impressos com as pinturas abstractas do artista francês Piet Mondrian.

Mas há também vestidos inspirados em Pablo Picasso e um casaco bordado à mão que remete para uma pintura de Vincent Van Gogh – este foi a peça de moda mais cara do ano em que foi criada (1988), então foi vendida por 500 mil francos (cerca de 435 mil euros).

"Tudo está ligado à arte", observa Dahlström que considera Saint Laurent um artista e não um designer de moda. "O objectivo é mostrar o que Saint Laurent traz à moda. Ele vinha aqui [a Marraquexe] duas vezes por ano para projectar as suas colecções", conta. "Paris foi o seu lugar de criação, mas Marraquexe foi o seu lugar de inspiração", acrescenta.

Para aqueles que querem ter um olhar mais profundo sobre a vida e obra do artista, e não querem ficar-se apenas pela visita ao museu, o Hotel Four Seasons organiza visitas à Villa Oasis onde Bergé e Saint Laurent viveram.