Costa diz que dias negros "seguramente vão repetir-se"

O primeiro-ministro segura ministra da administração interna e fala na necessidade de reformar a floresta. Mas resultados, avisa, vão demorar. "Não há bombeiros que cheguem para acorrer a todas as situações".

Foto
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

Depois de mais um dia negro deste ano de 2017 e ainda sem saber se o número de vítimas mortais vai aumentar, António Costa terminou a reunião de urgência na Autoridade Nacional de Protecção Civil deixando um aviso: "seguramente" situações como as vividas hoje "vão repetir-se".

O primeiro-ministro defende que o "dia devastador" que se viveu neste domingo em todo o país tem uma grande possibilidade de se vir a repetir nos tempos próximos, pelo facto de estarem criadas as condições propícias ao desenvolvimento de fogos como aqueles que temos assistido neste Verão. Tem sido uma "década" em que se acumularam matérias de combustão, a que se juntam condições climatérias únicas que dificultam o trabalho de combate aos incêndios: "Não há bombeiros para acorrer a todas as situações", disse o primeiro-ministro.

Quando questionado sobre as palavras do secretário de Estado, que disse que "não podemos ficar à espera dos bombeiros", o primeiro-ministro deu a entender que o governante estava a ser mal-interpretado e que o que Jorge Gomes se referia era à necessidade de as populações procurarem medidas de "auto-protecção" e a apelar a quem pudesse e tivesse condições, que ajudasse os vizinhos.

Em respostas aos jornalistas à saída da reunião, o primeiro-ministro apontou como facto primordial a falta de reforma na floresta e que não se irá resolver nos próximos tempos. "Se julgam que há alguma solução mágica que produz efeitos [imediatos] da reforma da floresta, estão enganados. Não vale a pena iludir os portugueses que se vai resolver um problema que se acumulou ao longo de décadas", disse o primeiro-ministro, lembrando que a reforma da floresta, aprovada em Abril, não foi feita à pressa, mas de forma ponderada.

Nesta conversa com os jornalistas, António Costa diz que houve tempo perdido nos últimos anos para resolver problemas estruturais e que nos próximos anos muito tem de mudar. "A situação que estamos a viver vai seguramente prolongar-se para os próximos anos. Temos de no final desta batalha tomar as decisões porque as coisas não podem ficar como estão", disse.

"Quando fizemos a reforma da Protecção Civil, há dez anos, disse que estávamos a comprar tempo. Infelizmente esse tempo não foi comprado. Em 2008 alertei que se estava a esgotar o tempo que se tinha ganho", disse, referindo-se a reformas que não foram feitas nos últimos anos.

Decretada calamidade pública acima do Tejo

Durante o dia de domingo foram registadas 523 ocorrências em todo o país, perante os números e a altura do ano em que estamos, o primeiro-ministro defendeu que foi mobilizada a força de combate (a que se juntaram militares) que estava disponível: "Hoje foi um dia muito difícil com 523 incêndios no conjunto do país e os meios foram esticados até aos limites e numa fase do ano, quer pelas condições normais do clima, quer pela disponibilidade das pessoas é mais difícil mobilizar as pessoas". Ao longo de todo o dia foram mobilizados mais de 12 mil operacionais e à hora em que o primeiro-ministro falava ainda estavam mais de seis mil homens no terreno.

Contudo, os incêndios poderão não dar tréguas mesmo amanhã, segunda-feira. "O dia de amanhã ainda será um dia muito difícil, as condições meteorológicas permitem alguma esperança no litoral, mas no interior haverá risco elevado". E por isso, o Governo decidiu "declarar a calamidade pública em todos os distritos a norte do Tejo".

Ao longo do dia, tanto a ministra da Administração Interna como o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, referiram a mão-humana como principal factor para estes incêndios. Aos jornalistas, Costa deu uma explicação semelhante, lembrando que os "números das forças policiais" mostram que "foram identificadas, detidas com suspeita do crime de incêndio" e também "foram aplicadas medidas de prisão preventiva" a mais pessoas. Mas acrescenta dois dados adicionais: "o país está em seca severa há dois anos, provocando uma enorme secura em todo o material combustível" e neste domingo "estiveram temperaturas que não tem correspondência com o que é normal e com ventos muito fortes",defendeu.

Ministra da Administração Interna não sai

Questionado sobre se já analisou o relatório dos peritos sobre o incêndio de Pedrógão Grande e se uma das consequências que vai retirar é a demissão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, o chefe do Governo reiterou a confiança na ministra. Terá condições para continuar? "Claro, senão não estava aqui com a senhora ministra."

Mais tarde, questionado de novo sobre se entendia assim que a demissão da ministra não era retirar responsabilidade política como tinha prometido na sequência do relatório, Costa respondeu: "É um bocado infantil a ideia de que consequência política é a demissão de um ministro", disse, acrescentando que não é a isso que o Presidente da República se refere. "O que eu acho é que os portugueses querem uma atitude madura" que se trata de apresentar soluções.

As "soluções" a que se refere serão conhecidas depois do Conselho de Ministros extraordinário do próximo sábado, dia 21.

António Costa deixou escapar, porém, que vai mexer também no sistema de combate aos incêndios. "Há que passar das palavras aos actos", afirmou o chefe de Governo, citando as palavras do arcebispo de Braga. E, referindo-se de forma elogiosa à conclusões do relatório de peritos sobre Pedrógão Grande, salientou que essa comissão emitiu um conjunto de recomendações "muito importantes" para a reforma do sistema de prevenção e combate aos incêndios. "E nós vamos ter de o fazer em paralelo com a reforma da nossa estrutura florestal", destacou António Costa: "[Há] uma boa base de trabalho para se fazer a reforma que é necessário fazer nos mecanismos de prevenção e de combate aos incêndios - e a certeza que todos temos de ter de que nada pode ficar como estava depois do ano que passámos". com H.D.S.