Sobe para 23 número de mortos em incêndios na Califórnia

Mais de 3500 edifícios foram destruídos e há mais de 550 desaparecidos.

Fotogaleria
California Highway Patrol/Golden Gate Division/Handout
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS,Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS
Fotogaleria
Stephen Lam/REUTERS

Os devastadores incêndios que lavram desde domingo na Califórnia, nos Estados Unidos, já causaram pelo menos 23 mortos, de acordo com o mais recente balanço oficial. Há ainda mais de 550 pessoas dadas como desaparecidas.

Segundo o gabinete do xerife de Sonoma, subiu para 13 o número de vítimas registadas naquele condado, tendo as restantes dez mortes ocorrido em outros três condados.

O anterior balanço oficial facultado pelo Departamento das Florestas e Proteção Contra os Incêndios da Califórnia era de 21 mortos.

Para além das vítimas mortais, existem várias pessoas desaparecidas, com as autoridades a referirem que existem cerca de 600 relatos, mas acreditam que muitas das pessoas possam estar em segurança.embora não consigam contactar com amigos e familiares uma vez que a rede de telecomunicações foi afectada pelas chamas.

Com muitos incêndios ainda fora de controlo, as autoridades salientam que localizar os desaparecidos não é a prioridade.

"O salvamento de pessoas é a nossa prioridade. Estamos focados em salvar vidas", disse o xerife do condado de Sonoma, Robert Giordano.

Os incêndios, que destruíram mais de 3500 casas, estabelecimentos comerciais e outras estruturas no Norte do estado, causaram ainda pelo menos 180 feridos.

Em paralelo, foram reportados centenas de casos de desaparecidos, embora as autoridades acreditem que muitos se encontram em segurança mas sem possibilidade de contactar familiares ou amigos dado que a rede de telecomunicações foi afectada pelas chamas.

Os incêndios, muitos dos quais ainda fora de controlo, que estavam a ser combatidos por 8.000 bombeiros na noite de quarta-feira, começaram, por causas que ainda se desconhecem, na noite de domingo e expandiram-se rapidamente.