Uma toys band e outras músicas no Festival de Marionetas do Porto

De 13 a 29 de Outubro, o festival cruzará cinco palcos e vários espaços não convencionais. Teatro de Marionetas do Porto e Teatro de Ferro estreiam novas criações, de fora vêm Akhe Theatre e Puppetmastaz.

Fotogaleria
Ressacs é uma criação da companhia belga Gare Centrale Alice Piemme
Fotogaleria
Gobo. Digital Glossary, do Akhe Theatre Susana Neves
Fotogaleria
Bela Adormecida, do Teatro de Ferro Susana Neves

Este ano vai haver mais música do que o habitual no programa do Festival Internacional de Marionetas do Porto (FIMP’17), que decorre de 13 a 29 de Outubro. Quatro das 14 produções que fazem o calendário do certame serão espectáculos-concertos, numa selecção que também está “muito virada para a componente visual”, como esta terça-feira explicou Igor Gandra, director do festival, na apresentação do programa no Teatro Rivoli.

Manipula#som, um concerto visual sobre o universo do circo, que concretiza um projecto lançado por António Oliveira (Radar 360º) no FIMP de 2014, será o primeiro espectáculo do alinhamento (Teatro do Campo Alegre, dia 13), antes da abertura oficial que ocorrerá à noite no Mosteiro de São Bento da Vitória (MSBV), com Marionetas tradicionais de um país que não existe.

Produção do Teatro de Ferro com encenação do próprio Igor Gandra – que assim abre pela primeira vez o festival que dirige desde 2009 –, esta é uma criação, ainda em curso, sobre “uma viagem imaginária a alguns destinos improváveis da globalização”. O encenador e marionetista confessou estar a viver “uma certa inquietação”, associada a momentos de humor, nos ensaios desta peça que tem como cenário uma sala de espera onde ocorrem “danças e rituais de origem indeterminada”.

De regresso à música, teremos Phobos (MSBV, dia 18), uma instalação-concerto produzida pela Sonoscopia e dirigida por Gustavo Costa, com “uma orquestra de pequenos robots medrosos e disfuncionais” – diz a sinopse – a interpretar peças compostas por Carlos Guedes, Rui Dias e José Alberto Gomes

Quiet Motors (Rivoli, dia 18), do artista e músico francês Pierre Bastien, é também uma criação de poesia visual onde a música é entendida como “expressão sonora e poética da matéria animada”. Trata-se de um concerto-performance que combina os sons de um trompete de bolso com o movimento de autómatos construídos com peças e engrenagens de Meccano.

A fechar o alinhamento dos espectáculos musicais, e o próprio programa do FIMP’17, surge Puppetmastaz (Hard Club, dia 21), criação do grupo homónimo multinacional vindo de Berlim, uma banda de hip-hop – eles autodesignam-se como uma “toysband” – que “clama por uma nova ordem mundial em que as marionetas assumiriam o poder”. Creature Funk (2003) e o recente Keep Yo Animal! (2017) são os álbuns que balizam a discografia deste colectivo, sempre em “grito de guerra”.

Também de fora, da Bélgica – um dos seis países representados no festival –, chega pela primeira vez ao Porto a Compagnie Gare Centrale, de Agnès Limbos, que Igor Gandra diz ser “a papisa do teatro de objectos”. Traz Ressacs (Rivoli, dia 15), espectáculo que reflecte sobre a ressaca da mais recente crise e do crash financeiro de 2008 – mesmo se o termo francês significa o movimento das ondas, a vaga que altera o estado das coisas. “E tudo o banco levou” podia ser o subtítulo desta comédia sobre o estado do capitalismo contemporâneo, diz a nota de apresentação de Ressacs.

Gobo. Digital Glossary, do russo Akhe Theatre (Rivoli, dia 21), promete ser outro dos acontecimentos do festival. Igor Gandra apresenta esta “patética peça-laboratório” marcada por um humor desconcertante como “uma das mais importantes peças de teatro visual do início do século XXI”.

Outra produção belga é Gaspard, do colectivo Une Tribu (Rivoli, dia 21), uma peça “curta mas intensa sobre questões de ordem existencial, como a origem do desejo, da vontade e da capacidade de escolher”, diz o director do FIMP’17.

De Itália, chega-nos a tradição do teatro de polichinelo e da commedia dell’arte com La Domus di Pulcinella, de Gaspare Nasuto (Rivoli, dia 20). Trata-se de uma criação deste mestre e virtuoso da manipulação do Guatarello napolitano associado ao teatro de objectos.

O mesmo património tradicional, mas português, estará também no programa com o regresso ao Porto dos Bonecos de Santo Aleixo, recuperados pelo Cendrev - Centro Dramático de Évora (Rivoli, dia 15).

Mas haverá também criações novas no programa: são os casos de Bela Adormecida (Rivoli, dia 20), com que o Teatro de Ferro e Igor Gandra, de novo o encenador, regressam ao famoso conto tradicional popularizado pelos irmãos Grimm; e de Arcano, produção do Teatro de Marionetas do Porto com direcção de Rui Queiroz de Matos (Teatro do Campo Alegre, dia 20), também uma estreia absoluta, desta vez a entrar no universo de Kafka, um bestiário de corpos e máquinas num mundo entre a realidade e a alucinação.

Completam o programa a produção de A Tarumba, de Lisboa, que regressa ao FIMP com Este não é o nariz do Gógol, mas podia ser… com um toque de Jacques Prévert (Rivoli, dia 21), em volta dos imaginários destes dois escritores. E Lendas da Nossa Terra por Romão, o Ancião, uma reconstituição da Lenda do Zé do Telhado pelo Limite Zero (Junta de Freguesia de Ramalde, dia 18) – este espectáculo será também apresentado na Estação de Metro da Trindade (dia 21), abrindo a programação do festival a espaços não convencionais.

Paralelamente ao calendário de espectáculos, o FIMP’17 terá também workshops (WOP) sobre a utilização do boneco de luva, animação de objectos e criação de “seres extraordinários” a partir do corpo humano. E cinco Work in Progress (WIP) com presença de novos criadores, como Elisabete Sousa, Rita Morais, Sara Montalvão e os colectivos Historioscopio e INDRI.

Na apresentação da programação no Rivoli – o Teatro Municipal do Porto, o Teatro Nacional São João e a DGArtes são as entidades que asseguram os principais apoios do festival –, foi também lançada a 3.ª edição da Bolsa de Criação Isabel Alves Costa, agora fixada com periodicidade bienal, abrindo-se a novos criadores, e que terá residências entre o Porto e o Minho, numa parceria com a companhia Comédias do Minho, que tem sede em Paredes de Coura.