Torne-se perito

Nokia aposta na "evolução das selfies" para o retorno aos topo de gama

O Nokia 8 quer recordar que a marca era conhecida por fabricar telemóveis inovadores, com uma funcionalidade nova para substituir as selfies tradicionais. Também traz um "Google Pessoal" para fazer frente à Samsung e à Apple.

Fotogaleria
A HDM Global está a tentar recuperar o brilho da marca Nokia Reuters/Dado Ruvic
Fotogaleria
A Nokia quer popularizar o conceito de bothie Nokia
Fotogaleria
O Nokia 8 vem com uma estrutura de alumínio Nokia

A marca Nokia quer voltar a ser conhecida pelos telemóveis inovadores, e o Nokia 8 – a primeira proposta topo de gama desde que a marca se voltou a focar em smartphones – vem com duas funcionalidades novas: uma alternativa às selfies, o bothie, e a capacidade de gravar áudio em 360º.

Num mercado dominado pela Apple, Samsung e Huawei, a HDM Global (a empresa finlandesa que conseguiu o direito de produzir os telemóveis da Nokia) apresentou o seu novo modelo focando-se no “modo bothie” (uma mistura de selfie com a palavra inglesa both, que significa "ambos"), que não só é capaz de activar as câmaras dianteira e traseira em simultâneo – algo que alguns modelos da Samsung já conseguem –, mas também transmite o vídeo das duas câmaras em directo nas redes sociais, alternadamente. O novo telemóvel também permite a gravação de mensagens de som em 360º (o microfone consegue transmitir sons a chegar de diferentes direcções, a diferentes velocidades como no mundo real). Até agora, era uma funcionalidade exclusiva da câmara de realidade virtual Nokia Ozo.

À semelhança de outros topos de gama no mercado, o Nokia 8 tem um assistente pessoal, o Google Assistant, uma espécie de equivalente do Bixby da Samsung, ou à Siri da Apple. Tal como os novos modelos da marca, trabalha com o sistema operativo Android e tem uma estrutura em alumínio. Ambas as câmaras têm 13 megapixeis.

O novo modelo chega numa altura em que o número de smartphones vendidos continua a descer. Segundo dados da analista de mercado IDC, foram vendidos 341,6 milhões de unidades no segundo trimestre de 2017, menos 1,3% que no mesmo período do ano passado. Apesar da procura por estes aparelhos ser cada vez menor, os analistas da IDC estão confiantes sobre o futuro do mercado e definem 2017 como um "ano de recuperação".

O lançamento de novos aparelhos topo de gama pelas líderes de mercado Samsung e pela Apple deve impulsionar as vendas. É uma área que a marca finlandesa tinha abandonado desde que a Microsoft deixou de utilizar a marca para os seus telemóveis em 2014, depois da compra da divisão de telemóveis da Nokia, um ano antes, não ter dado lucro. O regresso da Nokia este ano, com a HDM Global, tem-se focado em modelos de gama média, apostando na nostalgia das pessoas pela marca. Além dos Nokia 3, 5 e 6, a marca lançou uma evolução do modelo clássico da marca, o “indestrutível” Nokia 3310, em Fevereiro.

O Nokia 8 chega às lojas europeias em Setembro, por 599 euros. 

Sugerir correcção