O fado e mais além, na guitarra sábia de José Manuel Neto

Na primeira das duas noites no Trindade, José Manuel Neto mostrou com honestidade e brio as suas artes na guitarra portuguesa, que lhe valem distintos e merecidos elogios.

Fotogaleria
José Manuel Neto no palco do Trindade ADRIANO FILIPE/TEATRO DA TRINDADE
Fotogaleria
José Manuel Neto (ao centro) com Nélson Aleixo na viola (à direita) e Frederico Gato no baixo (à esquerda) ADRIANO FILIPE/TEATRO DA TRINDADE
Fotogaleria
José Manuel Neto no palco do Trindade ADRIANO FILIPE/TEATRO DA TRINDADE
Fotogaleria
Com Carlos do Carmo ADRIANO FILIPE/TEATRO DA TRINDADE
Fotogaleria
Com Ricardo Neto, no contrabaixo ADRIANO FILIPE/TEATRO DA TRINDADE
Fotogaleria
Pai e filho: José Manuel Neto com Ricardo Neto ADRIANO FILIPE/TEATRO DA TRINDADE

“Bendito avô seja o Fado/ que nos quis dar um tal Neto!” As palavras são de Manuela de Freitas e, no disco de estreia de José Manuel Neto, Tons de Lisboa, cantaram-nas, por esta ordem, quatro fadistas dos muitos que ele tem acompanhado: Carlos do Carmo, Aldina Duarte, Camané e Mariza. E quer o disco quer as apresentações a solo que dele decorreram ajudam a subscrever tal frase, ajudando-nos a compreender por que motivo ele, nas palavras de Aldina Duarte (a abrir o libreto do disco), “faz parte do grupo dos músicos mais importantes da História da Guitarra Portuguesa, quer como acompanhador quer como solista”, senhor de uma alma “muito antiga e simultaneamente moderna, delicada e intensa, alegre e triste, como acontece com os melhores instrumentistas.”

Tudo isto se sente ao ouvi-lo em palco. Há em José Manuel Neto, ao mesmo tempo, uma atitude de humildade reservada perante a altivez intrínseca da guitarra, a par de um orgulhoso talento feito de milhares de horas de dedicação àquele instrumento, talento que ele exibe sem efeitos circenses e com total entrega. O espectáculo da noite de 7 de Julho no Teatro da Trindade (terceiro, depois de Tatanka e Yamandu Costa, no ciclo Há Música no Trindade, que ali decorrerá até Dezembro), sendo instrumental na sua quase totalidade, teve no entanto uma voz convidada: a de Carlos do Carmo. Que, apesar do seu lugar de primeira linha no fado, no momento dos agradecimentos deixou a ribalta aos músicos: era deles a noite. E ficou a aplaudi-los, no canto esquerdo do palco.

E, numa noite assim, nada melhor do que começar com composições de Armando Freire (o genial Armandinho). Assim ganharam vida nas cordas de José Manuel Neto (que ali teve consigo Nélson Aleixo na viola e Frederico Gato no baixo) Meditando, Variações em lá, e os fados Alexandrino e Ciganita daquele compositor com arranjos de Neto e agrupados num tema que foi baptizado de Armandinhos. Depois vieram composições de outros guitarristas históricos, como Despertar, de Jaime Santos; Vira de Frielas, de José Nunes; as Variações em Ré, de Fontes Rocha. Depois, a fechar a série, Valsa Eduardina, de Eduardo César. A entrada de Carlos do Carmo, ao som de aplausos, fez-se com O cacilheiro, letra de Ary dos Santos e música de Paulo de Carvalho, que Carlos do Carmo gravou no histórico Um Homem na Cidade (1977). Mas não foi um cacilheiro qualquer: o fadista deu-lhe outras voltas, mexeu-lhe na ênfase e nos tempos, fê-lo ir por outras águas, e José Manuel Neto e os restantes músicos seguiram-no com inteligência. Carlos do Carmo falou, então, da importância da guitarra portuguesa e do relevo de grandes nomes que a engrandeceram e engrandecem fora do fado (Carlos Paredes, Pedro Caldeira Cabral, Ricardo Rocha) mas, no território construído a partir do fado, apontou José Manuel Neto como “um criativo” (mais do que só um acompanhante) e, ainda nesse território, declarou: “Para mim, ele é o maior guitarrista português vivo.” Não deixaria o palco sem cantar outro fado, desta vez com música de António Victorino de Almeida e letra da grande poeta brasileira Cecília Meireles: Eu canto. Gravara-o no disco Nove Fados e Uma Canção de Amor (2002) e ali cantou-o brilhantemente.

Faltava um segundo convidado: Ricardo Neto, no contrabaixo. Ricardo, 23 anos, é filho de José Manuel Neto e a sua área musical não é propriamente o fado, mas sim a música clássica (estuda no Conservatório de Amesterdão). No entanto, gravou com o pai em Tons de Lisboa e, quer no disco quer em palco, assinam juntos um momento tocante, acompanhando a voz de Deolinda Maria (1939-2008), mãe de José e avó de Ricardo. Antes, porém, desse momento (muito aplaudido), ouviram-se ainda Chorinho do Norte, Finta e Será, todos do novo disco. As Variações sobre o Fado Lopes fecharam, com ânimo e entusiasmo (dos músicos e do público), o espectáculo. Que não acabaria ali. Vieram depois mais um instrumental, a valsa venezuelana La partida, e mais um fado com Carlos do Carmo, desta vez com palavras de Almeida Garrett no Fado Cravo de Alfredo Marceneiro, Não és tu (um dos temas de um disco memorável, Mais do Que Amor é Amar, de 1996). Mas foi ele, ou melhor, foram eles, que proporcionaram ao público do Trindade uma noite plena de música, calor e sentimento, onde a guitarra portuguesa foi, justamente, senhora do tapete vermelho que lhe estenderam.

Na noite seguinte, a de 8 de Julho, José Manuel Neto estaria naquele mesmo palco com Carlos Manuel Proença (viola) e Daniel Pinto (baixo). Convidado especial: Rodrigo. E, para quem queira seguir o ciclo do Trindade, saiba que os próximos espectáculos serão nos dias 27 de 28 de Julho, quinta e sexta-feira, às 21h30, com os Dead Combo. Tó Trips e Pedro Gonçalves prometem dar-nos a ouvir Música Com Lisboa Lá Dentro.