Dezassete personalidades homenageadas pelo seu contributo à ciência

O oceanógrafo Mário Ruivo (a título póstumo), o historiador Fernando Rosas, o físico Gaspar Barreira ou o empresário Rui Nabeiro distinguidos com a Medalha de Mérito Científico.

O oceanógrafo Mário Ruivo
Foto
O oceanógrafo Mário Ruivo DR

A Medalha de Mérito Científico é atribuída esta segunda-feira a 17 personalidades pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, na abertura do Encontro Nacional com a Ciência e a Tecnologia, Ciência 2017, no Centro de Congressos de Lisboa.

“É uma homenagem a pessoas que já não estão no activo”, anunciou o ministro Manuel Heitor em declarações na sexta-feira sobre o Encontro Ciência 2017, que decorre entre esta segunda e quarta-feira. A Medalha de Mérito Científico distingue personalidades portuguesas ou estrageiras que tenham contribuído para o desenvolvimento da ciência ou da cultura científica em Portugal.

Entre os homenageados estão cientistas como o oceanógrafo Mário Ruivo (1927-2017), considerado pioneiro na governação internacional dos oceanos. Outro dos distinguidos é António Falcão, que trabalha há 40 anos em tecnologias de aproveitamento das energias renováveis marinhas e é professor catedrático de engenharia mecânica no Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa. Carlos Mota Soares, professor catedrático jubilado do IST, desenvolveu a sua actividade na área da engenharia mecânica.

Também do IST, é distinguido Carlos Varandas, que foi o fundador e presidente do Centro de Fusão Nuclear do IST e depois do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear. E, ainda, Diamantino Durão, que foi presidente do IST entre 1984 a 2000. Na área da física nuclear e de partículas, também é distinguido Armando Policarpo, que foi presidente do Laboratório de Instrumentação e Física Experimental de Partículas (LIP) de Coimbra.

Entre os cientistas homenageados há três mulheres: as geógrafas Raquel Soeiro de Brito, professora catedrática jubilada da Universidade Nova de Lisboa, e Suzanne Daveau, que desde 1965 leccionou e investigou em França, África ocidental e Portugal. E, ainda Manuela Chaves, coordenadora do Laboratório de Ecofisiologia Molecular de Plantas do Instituto de Tecnologia Química e Biológica, da Universidade Nova de Lisboa. 

O bioquímico Francisco Carvalho Guerra, da Universidade do Porto, o historiador Fernando Rosas, professor catedrático jubilado da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, o físico Gaspar Barreira, co-fundador do LIP, e José Marques dos Santos, que foi director da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto durante 12 anos, são outros dos distinguidos.

PÚBLICO -
Foto
O historiador Fernando Rosas Miguel Manso

Do sector privado, irão receber a medalha Dianne Villax (que em 1959 fundou a empresa farmacêutica Hovione, juntamente com o seu marido, Ivan Villax); e Rui Nabeiro, fundador da empresa Delta Cafés, que investe em investigação e desenvolvimento no sector agro-alimentar e que, por exemplo, criou em 2007 o Centro Educativo Alice Nabeiro, em Campo Maior. 

PÚBLICO -
Foto
O empresário Rui Nabeiro António Carrapato/Arquivo

Ainda serão distinguidas personalidades estrangeiras como Jean-Jacques Dordain, que foi director-geral da Agência Espacial Europeia entre 2003 e 2015, e Julio Celis, que foi vice-presidente da Aliança para a Investigação Biomédica na Europa, e é considerado um dos fundadores da proteómica, o estudo em larga escala das proteínas, em particular a sua estrutura e a função.