Relatório da KPMG sobre SIRESP recomendava plano de acção

Auditoria entregue ao Governo em 2014 apontava algumas falhas na cobertura de rede.

Foto
RG Rui Gaudencio

Um relatório da consultora KPMG entregue ao Governo em 2014 apontava algumas falhas na cobertura e na capacidade para lidar com imprevistos do SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal), noticiou nesta terça-feira a SIC.

Segundo a estação de Carnaxide, o relatório entregue ao então ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, avaliou quatro parâmetros do SIRESP (cobertura, grau de serviço, segurança e resiliência), concluindo que em dois deles (grau de serviço e segurança) o serviço estava globalmente alinhado com as melhores práticas internacionais.

Quanto à cobertura de rede, diz a SIC, o relatório apontava algumas falhas, nomeadamente na região de Trás-os-Montes, na Madeira e nos distritos da Guarda e de Viseu. Também no capítulo da resiliência, noticia a SIC, o SIRESP estava num estádio de desenvolvimento inicial.

Ainda segundo a SIC, o relatório da KPMG incluía um plano de 30 medidas, 13 das quais prioritárias. Algumas delas, cita a estação de Carnaxide, eram a compra de uma aplicação para monitorizar a potência do sinal e recolher informação dos terminais das estações; a compra de mais duas estações móveis; a necessidade de instalar quatro estações base em falta; a substituição de três torres que ameaçavam a cair; e a realização de um plano de contingência em caso de falência do sistema que definisse uma estratégia coordenada.

Na sequência desta notícia da SIC, o Ministério da Administração Interna recusou fazer comentários, indicando que a ministra não se pronunciará antes do estudo pedido ao Instituto das Telecomunicações e da auditoria solicitada à Inspecção-Geral da Administração Interna (IGAI).