Michel Temer não se demite nem que seja constituído arguido

Em entrevista à Folha de São Paulo, o Presidente brasileiro volta a dizer que não autorizou qualquer suborno. Admite “ingenuidade” e diz de novo que não se demite: “Se quiserem derrubem-me.”

Foto
LUSA/Joedson Alves

O Presidente do Brasil, Michel Temer, voltou a garantir que não vai renunciar ao cargo na sequência de uma gravação divulgada pela imprensa brasileira em que aparenta aprovar o pagamento de um suborno para que o antigo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, preso no âmbito da Operação Lava-Jato, permaneça em silêncio.

“Se quiserem, me derrubem”, afirmou numa entrevista à Folha de São Paulo onde desenvolve alguns temas que marcaram a actualidade brasileira nos últimos dias, e rejeitando sempre a aprovação de compra de silêncio ou qualquer outro acto ilícito.

Logo no início da conversa com o jornal brasileiro, Temer é confrontado com a sua própria afirmação de que qualquer ministro que seja constituído arguido ou investigado será afastado do Governo, e se chegar a réu será demitido. Temer diz que não aplicará a regra a si mesmo: “Não, porque eu sou chefe do Executivo. Os ministros são agentes do Executivo, de modo que a linha de corte que eu estabeleci para os ministros, por evidência não será linha de corte para o Presidente”.

Sobre o encontro que manteve com Joesley Batista, dono da empresa de carnes JBS, que desencadeou toda a polémica, Temer diz que se tem insistido na parte da conversa onde, aparentemente, o Presidente brasileiro autoriza o pagamento de um suborno, mas que se ignora uma frase em que o empresário diz: “Olhe, tenho mantido uma boa relação com o Cunha”. A resposta de Temer a essa frase, argumenta, foi: “Mantenha isso”. Ora, foi esta a resposta que parecia indicar que estava a autorizar o suborno. Isto porque, imediatamente antes, Batista fala que “zerou” ou liquidou as pendências. Sobre isto, Temer garante que não deu “a menor atenção” e que o empresário é um “falastrão” (alguém que fala demais) e que se gaba pelas influências que possui.

Também confrontado com as imagens em que o deputado Rodrigo Rocha Loures, o representante que terá sido escolhido por Temer para receber a quantia em dinheiro, surge com uma mala com 500 mil reais, o Presidente defende que essa situação foi “montada”, sendo que Rocha Loures terá sido “induzido, foi seduzido por ofertas mirabolantes e irreais” para incriminar “alguém graúdo”. Por isso diz que o deputado “errou” e que esse episódio “não é aprovável”.

Por tudo isto, Michel Temer garante que não sairá do cargo e lança um desafio: “Agora, mantenho a serenidade, especialmente na medida em que eu disse: eu não vou renunciar. Se quiserem, me derrubem, porque, se eu renuncio, é uma declaração de culpa”.

Depois, questionado se escolherá um procurador-geral novo, se se manter no cargo, decisão que terá de tomar em Setembro, Temer aproveita para reforçar a intenção de continuar à frente do Governo: “Eu tiro o ‘se’. Porque eu vou continuar”. Sobre a decisão em si, o Presidente garante que não se deixa “contaminar” com tudo o que tem acontecido.

Apesar disso, Michel Temer admite uma quota-parte de culpa própria: “Ingenuidade. Fui ingénuo ao receber uma pessoa naquele momento”, diz, referindo-se ao encontro com Batista.

Nas primeiras reacções ao caso, Temer chegou a afirmar que a gravação em causa tinha sido manipulada. Também colocado perante essas afirmações, o Presidente brasileiro explica que quem afirmou tal coisa foram os jornais Folha de São Paulo e Estadão. Por isso, se se confirmar que a gravação é, de facto, verdadeira, o erro será destes títulos: “Quem falou que o áudio estava adulterado foram os senhores, foi a Folha [referindo-se a uma análise feita por um especialista a este jornal]. E depois eu verifiquei que o Estadão também levantou o mesmo problema. Se disserem que não tem modificação nenhuma eu direi: a Folha e o Estadão erraram".

Temer teve também de justificar o motivo pelo qual recebeu Batista. Aí, relata que recebeu vários pedidos de encontro por parte do empresário mas que sempre pensou que a intenção era falar sobre a Operação Carne Fraca, escândalo onde está envolvida a JBS e onde se investiga o pagamento de subornos para que carne imprópria para consumo fosse vendida. “Ele é um grande empresário. Quando tentou muitas vezes falar comigo, achei que fosse por questão da [Operação] Carne Fraca. Eu disse: ‘Venha quando for possível, eu atendo todo mundo’. [Joesley disse]: ‘Mas eu tenho muitos interesses no Governo, tenho empregados, dou muito emprego’”.

O Globo lembra que o gravador que o empresário transportava no dia do encontro com o Presidente registou o noticiário que dava na rádio no carro de Batista. Aí percebe-se que era dia 7 de Março. Por isso é também possível constatar que a Operação Carne Fraca apenas foi divulgada e saltou para as capas dos jornais no Brasil dez dias depois da conversa entre Temer e Batista.