Impacto do descongelamento das carreiras conhecido no final de Junho

Durante o mês de Maio, serviços e autarquias têm de recolher informação sobre trabalhadores que podem progredir e impacto financeiro do descongelamento. Relatório chega às mãos de Centeno até 30 de Junho.

Mário Centeno, ministor das Finanças, quer conhecer ao pormenor impacto das progressões
Foto
Mário Centeno, ministor das Finanças, quer conhecer ao pormenor impacto das progressões MIGUEL A. LOPES/Lusa

Até ao final de Junho, o ministro das Finanças, Mário Centeno, espera ficar a saber qual o impacto orçamental associado ao descongelamento das carreiras na função pública, para depois dar início à preparação do Orçamento do Estado para 2018, altura em que as progressões serão retomadas. O prazo está previsto num despacho publicado em Diário da República nesta quinta-feira e que entra em vigor amanhã.

Ao longo do mês de Maio, os serviços e empresas públicas e as autarquias terão de preencher um conjunto de ficheiros com toda a “informação relevante” relativamente aos trabalhadores que reúnem condições para progredir na carreira e aos impactos orçamentais que lhe estão associados.

A ordem partiu do ministro das Finanças, Mário Centeno, e do ministro-Adjunto de António Costa, Eduardo Cabrita, e abrange “todos os organismos, serviços e entidades integrados no sector das administrações públicas (administração central, local e Segurança Social), no sector público empresarial (sector empresarial do Estado e sector empresarial local), bem como as fundações públicas, as entidades intermunicipais (áreas metropolitanas e comunidades intermunicipais)”.

Centeno e Cabrita querem conhecer “toda a informação relevante para efeitos de valorização remuneratória, designadamente através de promoções e progressões, relativa aos seus trabalhadores, com vista ao cálculo do impacto orçamental no âmbito do processo de elaboração da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2018”, a apresentar em Outubro.

Os serviços têm de submeter a informação até 15 de Maio, ou até 31 de Maio no caso das entidades da administração local, usando os suportes informáticos que ficaram entretanto disponíveis no site da Inspecção-geral de Finanças (IGF).

Para haver harmonização da informação, a situação dos funcionários públicos deve ter como data de referência o dia 31 de Dezembro de 2016.

Depois de a informação estar toda sistematizada e até 30 de Junho, a Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP), a Direcção-Geral das Autarquias Locais, com o apoio da IGF, “asseguram o tratamento e sistematização da informação recolhida e a subsequente elaboração de relatório síntese”.

No site da IGF estão também publicadas as instruções que os serviços têm de seguir para fazer a recolha da informação. Tal como o PÚBLICO noticiou, nesse documento o Governo admite que há funcionários públicos que já acumularam 20 pontos na avaliação de desempenho e que, por isso, reúnem as condições para subir dois escalões na tabela salarial.

No documento explica-se como é que deve ser feita a contagem dos pontos obtidos pelos trabalhadores na avaliação de desempenho. Há três períodos a ter em conta: entre 2004 e 2007,de 2008 a 2012 e de Janeiro de 2013 em diante, altura em que a avaliação de desempenho passou a ter carácter bianual.

E é nesse contexto que se explica que, por exemplo, um trabalhador que na avaliação feita entre 2008 e 2011 conseguiu um total de 12 pontos e que em 2012 e em 2013/2014 juntou oito pontos, deve ser contabilizado como tendo direito a andar duas posições remuneratórias para a frente.

Já no caso dos trabalhadores que não foram avaliados, por motivo imputável ao serviço terão um ponto por cada ano não avaliado.

A lei determina que as progressões são obrigatórias sempre que os trabalhadores reúnem dez pontos na sua avaliação. O problema é que essa norma está congelada desde 2010.

O Governo prometeu descongelar as progressões a partir de 2018, mas de forma progressiva. Ainda não se sabe como é que isso será concretizado, quais os trabalhadores a abranger e se haverá mesmo a possibilidade de alguns trabalhadores subirem dois escalões na tabela.

No Plano de Estabilidade, que enviou em Abril a Bruxelas, o Governo já previa que a medida teria um impacto líquido no orçamento de 141 milhões de euros em cada ano até 2021.

No despacho conjunto, assinado pelos ministros adjunto, Eduardo Cabrita, e das Finanças, explica-se que este levantamento tem como objectivo preparar o Orçamento do Estado para 2018 e que “o cálculo rigoroso dos impactos orçamentais previstos deve ser baseado em informação actualizada sobre os pressupostos fácticos que permitirão a cada trabalhador beneficiar das medidas preconizadas”.