Calendário penaliza vendas trimestrais do Pingo Doce

Grupo Jerónimo Martins obteve lucros de 78 milhões no primeiro trimestre. Menos um dia em Fevereiro e celebração da Páscoa em Abril influenciaram vendas

Grupo JM, liderado por Pedro Soares dos Santos, registou vendas de 2,52 mil milhões na Polónia
Foto
Grupo JM, liderado por Pedro Soares dos Santos, registou vendas de 2,52 mil milhões na Polónia LUSA/JOÃO RELVAS

Entre Janeiro e Março deste ano, o grupo Jerónimo Martins vendeu mais 303 milhões de euros, ou mais 9%, do que um ano antes, atingindo 3,67 mil milhões de euros. O desempenho foi sobretudo impulsionado pela cadeia polaca Biedronka, que vendeu mais 245 milhões (ou 10,8%), do que um ano antes, fechando o trimestre com vendas de 2,52 mil milhões de euros. Ou seja, representa agora 68,7% do total das vendas consolidados do grupo Jerónimo Martins no período.

Por comparação com o primeiro trimestre do ano passado, os primeiros três meses de 2017 foram penalizados de duas formas: menos um dia de consumo em Fevereiro (2016 foi ano bissexto), e a celebração da Páscoa – de importância significativa para os retalhistas alimentares – foi adiada para o passado fim-de-semana de 14 a 16 de Abril. Ou seja, o efeito pascal no consumo só será consolidado nas contas do segundo trimestre.

Embora os dois factores se apliquem igualmente à operação na Polónia, o grupo de distribuição salienta, no comunicado emitido esta quinta-feira, que, naquele país, a cadeia Biedronka beneficiou de “um ambiente de consumo” que se “manteve favorável” – “beneficiando do subsídio que começou a ser atribuído às famílias a partir de Abril de 2016 [logo, não influenciando o primeiro trimestre do ano passado], e do aumento do salário mínimo em Janeiro de 2017 (para 2000 zloty, ou 471,4 euros ao câmbio actual)”.

É verdade que o salário mínimo em Portugal também aumentou a 1 de Janeiro de 2017 (para 557 euros), mas o efeito não terá sido suficiente para atenuar a perda de dias de consumo importantes entre os dois trimestres. Assim, a cadeia de supermercados portuguesa detida em 51% pela Jerónimo Martins SGPS e em 49% pelo grupo holandês e belga Ahold Delhaize fechou os primeiros três meses deste ano com vendas de 823 milhões de euros. Foram mais seis milhões de euros (ou 0,8%) que foram facturados nas 415 unidades Pingo Doce (sobretudo super, mas também alguns hipermercados).

Na comparação “like for like” – ou seja, sem contar aberturas e encerramentos de unidades na análise dos dois trimestres – as vendas da cadeia portuguesa de retalho alimentar recuaram 1,1%, incluindo combustível. Sem este efeito, as vendas “like for like” do Pingo Doce decresceram 1,4%.

Melhor esteve a rede grossista do grupo, a Recheio, que nas suas 41 unidades vendeu mais 7,2%, para 201 milhões de euros. Como ”cash y carry”, a Recheio – líder no segmento onde opera – fornece retalhistas (desde pequeno comércio a supermercados), mas também o designado canal Horeca – hotéis, restaurantes e cafés, o que também indicia uma recuperação desta actividade, num ano de níveis recorde para o turismo (visitantes e receitas).

Com a Biedronka a um aumento de 8,4% “like for like” (sem contar com as 11 aberturas e os quatro encerramentos de unidades verificados no primeiro trimestre de 2017) – as vendas consolidadas pelo grupo JM melhoraram 5,8% a perímetro comparável (sem expansão).

Ainda na Polónia, mas através da cadeia de para-farmácias Hebe – que já se estende por 159 lojas – a JM facturou 36 milhões de euros, mais 33,9%.

Na Colômbia, terceiro e último mercado onde a Jerónimo Martins opera, através das lojas de proximidade Ara, o grupo foi buscar 87 milhões de euros de vendas no primeiro trimestre. São mais 81,8% do que um ano antes, mas é preciso notar que a companhia está acelerar a sua expansão naquele país. Abriu, entre Janeiro e Março passados, 23 novas unidades na Colômbia, onde já soma 244 lojas Ara.

Lucros sobem sem indústria

O grupo JM fechou o primeiro semestre com resultados líquidos, após interesses minoritários, de 78 milhões de euros, o que representa uma variação de mais 0,4%. Contudo, a JM alienou a área industrial (a quota de 45% na parceria Unilever Jerónimo Martins) e mais algumas participações na área de serviços e representação de marcas, ao vender 100% da empresa holandesa Monterroio – Industry & Investments BV em Setembro passado.

Depurando os resultados dos primeiros trimestres de 2016 e 2017 do efeito Monterroio, os lucros registaram uma melhoria de 4,6%, adianta a gestão liderada por Pedro Soares dos Santos, no comunicado emitido esta quinta-feira.

No período em análise, o EBITDA (ou resultados antes juros, impostos, amortização e depreciação) progrediu 4,6%, para 192 milhões de euros, e o EBIT (ou resultados antes de juros e impostos) avançou 3,4%, para 114 milhões de euros.