Novo contraceptivo masculino é seguro, eficaz e barato – e não tem uma empresa que o venda

É um procedimento reversível à base de um gel injectado nos canais que transportam espermatozóides no escroto. Foi desenvolvido na Índia e poderá ser importante em populações que, por exemplo, não são favoráveis ao uso do preservativo.

Fotogaleria
Espermatozóide humano Getty Images
Fotogaleria

Os médicos estão prestes a lançar no mercado um contraceptivo masculino. Mas, em vez de numa grande empresa farmacêutica, a descoberta surgiu numa startup universitária no coração da Índia rural.

Anos de testes em humanos do produto injectável que destrói os espermatozóides estão a chegar ao fim e os investigadores preparam-se para o submeter à aprovação das entidades reguladoras. Os resultados obtidos até agora demonstram que o produto é seguro, eficaz e fácil de usar, mas não tem tido muito sucesso junto das empresas farmacêuticas. Isto causa frustração ao seu inventor, que garante que a sua técnica pode desempenhar um papel crucial em populações que não são favoráveis ao uso de preservativos.

Um novo método contraceptivo masculino tem potencial para conquistar até metade do mercado mundial dos contraceptivos femininos, que representa 10.000 milhões de dólares (9420 milhões de euros), e de obter uma fatia das vendas anuais de preservativos, com um valor 3200 milhões de dólares (3010 milhões de euros). Ambos os mercados são dominados pelos gigantes farmacêuticos Bayer, Pfizer e Merck, segundo estimativas da última grande empresa farmacêutica que explorou esta área.

O procedimento reversível criado na Índia poderá custar cerca de dez dólares (9,42 euros) nos países pobres e pode fornecer aos homens contracepção que dura anos, ultrapassando problemas relacionados com o uso regular dos métodos contraceptivos e evitando os custos continuados associados aos preservativos e à pílula contraceptiva feminina, que costuma ser tomada diariamente.

Também poderia aliviar as 225 milhões de mulheres nos países em vias de desenvolvimento que, segundo a Organização Mundial da Saúde, não obtêm respostas para as suas necessidades contraceptivas. No entanto, até agora, só uma empresa sem fins lucrativos nos Estados Unidos aceitou desenvolver esta tecnologia no estrangeiro.

Para Sujoy Guha, de 76 anos, o engenheiro biomédico que inventou o produto, o desafio é encontrar uma empresa que o queira comercializar. Mas, até agora, as grandes empresas farmacêuticas não têm revelado grande interesse na área da contracepção masculina.

“O facto de as grandes empresas serem dirigidas por homens brancos de classe média com a mesma ideia — de que nunca usariam isto — tem um papel significativo”, afirmou Herjan Coelingh Bennick, o professor de Ginecologia que ajudou a desenvolver os contraceptivos femininos Implanon e Cerazette, quando era director de investigação e desenvolvimento para a saúde da mulher na Organon International, entre 1987 e 2000. “Se estas empresas fossem dirigidas por mulheres, seria totalmente diferente.”

Gel que cria uma barreira

A técnica de Sujoy Guha para inibir a fertilidade masculina recorre a um polímero em gel que é injectado nos canais que transportam espermatozóides no escroto. Este gel, que tem a consistência de chocolate derretido, tem uma carga positiva que age como uma barreira perante os espermatozóides, que têm uma carga negativa, causando-lhes danos na cabeça e na cauda e tornando-os estéreis.

Este tratamento, conhecido como inibição reversível de espermatozóides sob orientação (reversible inhibition of sperm under guidance, ou RISUG), pode ser invertido com uma segunda injecção que destrói o gel, permitindo aos espermatozóides chegarem ao pénis normalmente.

O lançamento esperado do RISUG nos próximos dois anos vai contribuir para o crescimento de 17% até 2021 do mercado indiano de contraceptivos, segundo um relatório do ano passado da Pharmaion Consultants, com sede perto de Nova Deli.

Este procedimento tem uma eficácia de 98% na prevenção da gravidez — praticamente a mesma dos preservativos, se forem sempre usados — e não tem efeitos secundários significativos, segundo R. S. Sharma, director de Biologia Reprodutiva e Saúde Materna no Conselho Indiano de Investigação Médica. Cerca de 540 homens já seguiram o procedimento na Índia e ele continua a evitar gravidezes nas suas companheiras, 13 anos depois do tratamento, contou o cientista.

A submissão este ano às entidades reguladoras pretende que o RISUG seja aprovado como um método contraceptivo permanente. A isto acrescentam-se dados clínicos que apoiam a sua reversibilidade, acrescenta Sharma. A Índia é o país do mundo com mais mulheres casadas que não obtêm resposta às suas necessidades de planeamento familiar e o estigma social e a falta de privacidade nos locais de compra fazem com que o uso do preservativo seja inferior a 6%.

A nível global, os homens têm tendência para ocupar uma posição secundária no que diz respeito à contracepção. Em 2015, em todo o mundo, quase 60% das mulheres que tinham relações conjugais usavam a pílula contraceptiva ou outro tipo de método contraceptivo, segundo um relatório das Nações Unidas. Em contrapartida, só 8% delas recorriam ao uso de preservativo por parte do companheiro.

PÚBLICO -
Foto
Espermatózoide a penetrar no ovócito DR

Uma nova opção de contracepção masculina poderia ocupar até metade do mercado de contraceptivos femininos, segundo um estudo da Organon feito na década de 1990, quando esta empresa farmacêutica holandesa criou uma parceria com a alemã Schering, numa última grande tentativa de desenvolver uma pílula contraceptiva masculina. A procura viria de casais com relações estáveis que pretendiam partilhar as responsabilidades do planeamento familiar e de homens solteiros à procura de uma alternativa aos preservativos para evitar uma gravidez indesejada resultante de sexo ocasional, explicou Herjan Coelingh Bennick.

Ainda assim, na Organon havia dúvidas sobre a viabilidade financeira do desenvolvimento de um novo concorrente no mercado de contraceptivos, com margem de lucro reduzida, e o processo acabou por ser arquivado, contou o ginecologista.

As tentativas para criar um contraceptivo masculino de base hormonal continuaram em 2008, num estudo co-financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates e por agências da ONU, que foi publicado em Outubro. Apesar de a eficácia do regime de injecções ser “relativamente positiva” em comparação com outros métodos, o estudo terminou mais cedo do que o previsto depois de uma avaliação de segurança. Os autores apontaram uma frequência “relativamente elevada” de distúrbios de humor, desde leves a moderados, criando polémica nos meios de comunicação social sobre a aparente existência de dois pesos e duas medidas no desenvolvimento de contraceptivos, já que estes efeitos secundários pareciam semelhantes aos que acontecem com as mulheres que tomam a pílula.

A Bayer, que comprou a Schering em 2006, pôs fim a todas as actividades de investigação e desenvolvimento sobre a fertilidade masculina há cerca de uma década, disse Astrid Kranz, uma porta-voz da empresa.

Um ensaio clínico anterior, que envolvia a administração de hormonas através de injecções e implantes, tinha sido “eficaz, com um perfil tolerável de efeitos secundários”, conta ainda Astrid Kranz, mas a farmacêutica alemã, com sede em Leverkusen, não ficou convencida de que este regime “inconveniente” pudesse ter aceitação suficiente no mercado.

A contracepção masculina também não é uma área de investigação activa para a Pfizer e a Marks, de acordo com representantes destas empresas. As duas empresas farmacêuticas comercializam produtos para o controlo da fertilidade feminina.

Para além dos efeitos secundários, Coelingh Bennick conta que seriam necessários cerca de 100 milhões de dólares (94 milhões de euros) e dez anos para pôr no mercado uma pílula contraceptiva masculina de base hormonal — um projecto de prioridade reduzida para os responsáveis das empresas farmacêuticas.

É este o dilema que o inventor indiano Sujoy Guha enfrenta actualmente. “Para fazer algo no estrangeiro, é necessário um financiamento substancial que só pode vir da indústria farmacêutica”, disse Guha, rodeado de sacos de papel poeirentos, livros e protótipos de invenções que cobrem toda a superfície do seu gabinete no Instituto Indiano de Tecnologia, que fica em Kharagpur, a cerca de 130 quilómetros a oeste de Calcutá.

Perante o desinteresse da indústria farmacêutica, Sujoy Guha concessionou a tecnologia à Fundação Parsemus, uma organização norte-americana sem fins lucrativos, de modo a conseguir criar um mercado para ela fora da Índia.

A Parsemus está a desenvolver a sua própria versão do produto, chamada Vasalgel, que planeia fabricar e distribuir a custo de produção — ou, possivelmente, a dez ou 20 dólares (9,42 ou 18,84 euros) por pessoa em países de rendimentos baixos ou médios — e a 400 a 600 dólares (376,88 a 565,33 euros) por pessoa em mercados mais ricos, explicou Elaine Lisser, fundadora da fundação, através de email.

Esta fundação, com sede em Berkeley, na Califórnia, está à procura de doações para financiar os dispendiosos ensaios clínicos em humanos, que começam no próximo mês de Maio, depois de um estudo em 16 macacos rhesus publicado em Março ter revelado que o Vasalgel conseguiu evitar a gravidez enquanto os primatas conviveram com fêmeas durante por um período de cinco a 24 meses.

Guha, or seu lado, registou uma startup na Índia, chamada IcubedG Ideas, através da qual está a tentar introduzir a tecnologia no seu país natal. Em Janeiro, alugou um espaço numa zona industrial de Nova Deli, depois de desenvolver um método de produção em massa com subsídios do governo. Os três casais que participaram no ensaio clínico reuniram-se em Fevereiro neste escritório em Kharagpur, para testemunharem sobre a necessidade da existência do produto.

Kinkar Ari, de 39 anos, operário de uma aldeia das redondezas, contou que, quando ele e a mulher decidiram que não queriam ter mais filhos, tinham de optar entre uma laqueação das trompas [de Falópio] para ela ou uma vasectomia para ele — mas nenhum dos dois tinha possibilidades de pedir uma baixa médica para recuperar da cirurgia.

Quando um profissional de saúde pública lhes falou da alternativa promissora de Sujoy Guha, Kinkar Ari decidiu inscrever-se no estudo. A injecção demorou 15 minutos, com recurso a anestesia local, e ao fim de meia hora de observação na clínica, Ari conta que conseguiu percorrer a pé os 2,5 quilómetros até casa. Dois dias depois, tinha voltado ao trabalho. Ari disse que ficou tão entusiasmado com o procedimento que convenceu outros dois casais a fazê-lo.

Guha garante que histórias como esta o encorajam a continuar, apesar de as patentes da sua invenção já terem expirado há muito tempo e de não vir a receber nenhum benefício financeiro pessoal, mesmo que a invenção tenha sucesso no estrangeiro.

“Por que é que o fardo há-de de ser carregado só pela mulher?”, perguntou Guha, no seu gabinete, depois de os três casais terem saído. “Tem de haver uma relação de igualdade.” com Jared S. Hopkings e Johannes Koch

Exclusivo PÚBLICO/ Bloomberg. Tradução de Rita Monteiro