Esta sexta-feira, no São Luiz, come-se o bolo do futuro

O Projecto P!, que recorda os 100 anos da primeira conferência futurista por Almada Negreiros, encerra com uma Festa-futurista-e-tudo inspirada pelas ideias da nova cozinha preconizada por Filipo Marinetti.

Jantares futuristas, anos 30
Jantares futuristas, anos 30 dr
Jantares futuristas, anos 30
Jantares futuristas, anos 30 dr
Marinetti defendia o cruzamento da cozinha com as outras artes
Marinetti defendia o cruzamento da cozinha com as outras artes dr
O restaurante Santopalato
O restaurante Santopalato dr
O livro <i>La Cucina Futurista</i>, de Marinetti
O livro La Cucina Futurista, de Marinetti dr
Fotogaleria

O que será a cozinha do futuro? Depende do momento em que nos encontramos, claro. Quando o poeta e escritor italiano Filippo Tommaso Marinetti (1876-1944) quis pensar a “cozinha futurista”, em 1931, o futuro era uma coisa. Hoje, quando a chef pasteleira Andreia Moutinho e as cake designers Isabel Costa e Cristiana Ribeiro, da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, se propõem criar um bolo do futuro, este é já uma coisa diferente.

O desafio foi lançado pelo Projecto P!, que quis festejar os 100 anos da primeira conferência futurista de Almada Negreiros (1893-1970) com uma série de iniciativas em Lisboa. O ponto final das comemorações é sexta-feira, às 22h, com uma Festa-futurista-e-tudo no Teatro Municipal São Luiz. Para além de vários cocktails futuristas, haverá ainda o tal bolo do futuro, tal como o imaginamos em 2017.

Para a festa de encerramento de uma semana que visou promover “um programa de pensamento crítico e de curadoria” em torno da questão da performance na esfera pública, os curadores, Ana Pais, Pedro Rocha e Levina Valentim, partiram da obra La Cucina Futurista, de Marinetti para pensar (também) a comida. E o que dizem os futuristas sobre o que comemos? Um dos pontos mais marcantes do livro é a crítica da pastasciutta, ou seja, da massa. Segundo Marinetti, essa “absurda religião gastronómica italiana”, que provoca em quem a come “fraqueza, pessimismo, inactividade nostálgica e neutralismo”, devia ser abolida e substituída pelo arroz. Havia nesta ideia, além da crença na capacidade da cozinha para transformar o indivíduo e a sociedade, uma preocupação patriótica, já que assim, argumentava o autor, a Itália libertar-se-ia da dependência do trigo importado e poderia desenvolver a indústria do arroz – sendo este mais ligado ao Norte, enquanto o hábito de comer massa era mais popular no Sul.

Mas a cozinha futurista tinha vários outros princípios. A ambição era chegar à “refeição perfeita” e esta passava, entre várias coisas, por: 1) “uma harmonia original da mesa (cristais, baixelas, decoração) com os sabores e cores das iguarias”; 2) “a originalidade absoluta das iguarias”. Outros pontos preconizados eram a “abolição da eloquência e da política à mesa” e o cruzamento da gastronomia com outras artes, como a música, que podia ser tocada “entre iguarias para não distrair a sensibilidade da língua e do palato”, ou a “arte dos perfumes”, destinada a “favorecer a degustação”.

Todos os sentidos

Os futuristas não se limitaram à teoria. Surgiram, na época, muitas receitas, como a “carneplástico”, prato criado pelo pintor futurista Fillia com o objectivo de interpretar as paisagens italianas, e que consistia numa grande almôndega cilíndrica coberta por mel, colocada sobre um anel de linguiça e acompanhada por três esferas de frango. E surgiu um restaurante, a Taverna Santopalato, em Turim, templo gastronómico dos futuristas, palco de todas as experimentações.

Apesar do entusiasmo dos futuristas, o projecto Santopalato não criou consenso e, ao fim de alguns anos, as dificuldades económicas levaram ao seu encerramento. No entanto, uma das constatações evidentes hoje é que vários destes princípios, nomeadamente o do cruzamento entre artes, foram mais tarde aplicados quer na Nouvelle Cuisine quer na cozinha molecular. De certa forma, o futuro preconizado por Marinetti cumpriu-se, o que torna mais difícil o desafio lançado pelo projecto P! a Andreia Moutinho, Isabel Costa e Cristiana Ribeiro.

“Foi-lhes dada toda a liberdade para fazerem a proposta que entendessem”, explica a curadora Ana Pais. “Os próprios futuristas não impõem limites, tudo pode ser inspiração para novas criações.” Deve, contudo, partir-se do “princípio modernista de fundir a arte com a vida” e, nessa lógica, “criar arte que pode ser comida”. É também importante convocar todos os sentidos e, portanto, dar um especial relevo à apresentação.

Andreia Moutinho garante que no bolo que vai ser apresentado esta sexta-feira “o lado visual será muito importante”. Mas o bolo do futuro não pode ter apenas um impacto estético, tem de responder a outras preocupações. “Como é que se faz uma coisa nova? Não sabemos ainda o que é o novo”, interroga-se a chef pasteleira. Sabem, no entanto, que “há uma tendência enorme para usar cada vez mais legumes e sementes e menos açúcar”. O bolo do futuro seguirá esse caminho. Além de outro, sublinha Andreia: o da “democratização da alta cozinha”. E será, naturalmente, acompanhado por cocktails futuristas.