Hotel espanhol acusa centenas de finalistas portugueses de vandalismo

Gerência do hotel perto de Málaga diz que nunca viu “nada assim”. PSP está a colaborar com a polícia espanhola.

Fotogaleria
A zona de recepção do hotel em que estavam alojados os estudantes portugueses DR
Fotogaleria
A zona exterior do Hotel Pueblo Camino Real, em Espanha DR
Fotogaleria
O sul de Espanha é escolhido por muitos estudantes como destino para a viagem de finalistas RUI GAUDENCIO/ARQUIVO

Várias centenas de estudantes portugueses do ensino secundário terão causado danos avultados numa unidade hoteleira em Torremolinos, a 20 quilómetros de Málaga, no sul de Espanha, durante uma viagem de finalistas. Os estragos feitos durante a madrugada deste sábado no Hotel Pueblo Camino Real rondarão os “milhares de euros”, indica a polícia espanhola ao jornal El País.

“Os alunos foram expulsos do hotel por mau comportamento e incivilidades”, confirmou ao PÚBLICO a subcomissária da Polícia de Segurança Pública (PSP), Helga Fiúza. As autoridades portuguesas falam em mil estudantes envolvidos no incidente, enquanto o El País indica que serão cerca de 800.

O Governo português também está a acompanhar o caso. “Os nossos serviços consulares já dialogaram com as autoridades [espanholas] e encontram-se a acompanhar a situação", disse o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, à agência Lusa. De acordo com o secretário de Estado, a empresa que organizou a viagem tinha seguro mas o hotel “entende que o seguro não é suficiente para cobrir” os prejuízos causados.

Os jovens terão quebrado azulejos, despejado extintores, atirado colchões pelas janelas e uma televisão para a banheira. Fonte da unidade hoteleira revelou ao El País nunca ter visto “nada assim”, afirmando ainda que foi aberta uma investigação policial. O hotel prestará esclarecimentos adicionais numa conferência de imprensa a realizar esta segunda-feira, dia 10. 

“Estão dois polícias portugueses a acompanhar as autoridades em Espanha”, afirmou Helga Fiúza ao PÚBLICO, lembrando que a PSP não tem autoridade em solo espanhol e que este caso é, portanto, da competência das autoridades locais. Fonte da Direcção Nacional daquela polícia referiu que "a intervenção da PSP em Espanha será muito limitada". Ainda não se sabe a que escolas pertencem os alunos envolvidos.

À agência Lusa, fonte da PSP afirmou que metade dos mil estudantes já saiu do hotel de regresso a Portugal. Os jovens encontravam-se em Torremolinos numa viagem de finalistas do ensino secundário. A notícia da expulsão foi inicialmente avançada este sábado pelo jornal Correio da Manhã, que referia "desacatos relacionados com o consumo de álcool".

Como é hábito nesta altura do ano, milhares de estudantes portugueses do ensino secundário estão em várias localidades do sul de Espanha em viagens de finalistas. Benalmádena, Marina D'Or e Punta Umbría são alguns dos destinos escolhidos.

Ao PÚBLICO, Tiago Sanches da Gama, director comercial na Sporjovem, uma agência especializada em viagens de finalistas, diz que só através desta companhia foram este ano para Espanha cerca de oito mil alunos do ensino secundário. “Os estudantes vão acompanhados com coordenadores e equipas de segurança”, garante Tiago Sanches, que diz que não foi enviado qualquer grupo para o hotel em causa.

Em relação à expulsão dos estudantes enviados por outra companhia, o director comercial da Sporjovem afirma: “Às vezes, paga o justo pelo pecador – não acredito que tenham sido mil pessoas a criar desacatos”. O PÚBLICO tentou também contactar a agência de viagens Slide In, mas não obteve resposta.

Para evitar comportamentos de risco por parte dos estudantes portugueses nestas viagens, a GNR realiza a operação "Spring Break", que este ano teve início na segunda-feira, 3 de Abril. Até este domingo, a GNR realiza várias acções de sensibilização em todo o país junto de jovens que se preparam para as viagens, fazendo também acções de fiscalização nas fronteiras. Estes procedimentos são feitos em coordenação com a Guardia Civil de Espanha.

Nesta quinta-feira, um jovem de 18 anos foi detido numa acção similar realizada pela PSP, pouco tempo depois de o autocarro em que seguia para Andorra ter arrancado de Oeiras. Tinha em sua posse uma placa de haxixe de 100 gramas.

Sugerir correcção