Governo quer apostar no ensino profissional em áreas de "forte crescimento"

Actualmente, segundo o ministro da Educação, 45% dos alunos terminam o ensino secundário através das vias profissionalizantes.

Foto
O ministro da Educação esteve esta terça-feira na Escola Básica Francisco de Arruda, em Lisboa Nuno Ferreira Santos

O Governo quer "fortalecer o ensino profissional" no ensino público e privado e apostar em áreas onde existe uma grande procura e um "forte crescimento", como o turismo, disse esta terça-feira o ministro da Educação.

"Há uma aposta forte para alavancar o ensino profissional. Neste momento temos aproximadamente 45% dos nossos estudantes que terminam o secundário por vias profissionalizantes e o que queremos é que esse número possa atingir 50%", disse Tiago Brandão Rodrigues no final de uma visita à Escola Básica Francisco de Arruda, em Lisboa.

Nesse sentido - adiantou - "queremos fortalecer o ensino profissional, tanto no ensino público, como no ensino privado".

Para isso, "aumentámos para o próximo ano o número de vagas" em 25%, disse o ministro, explicando que este aumento também pretende dar resposta em áreas em que "existe uma procura muito grande".

Tiago Brandão Rodrigues explicou que são "áreas de grande empregabilidade" relacionadas com "a indústria 4.0, automação", informática, restauração e turismo, uma área que tem tido "uma forte procura e um forte crescimento".

Via profissional permite dupla certificação

Salientou ainda que a via profissional permite aos alunos uma dupla certificação, académica e profissional, que lhes permite enveredar por uma actividade profissional quando terminam o secundário ou terem acesso pleno ao ensino universitário ou politécnico.

"Estamos a trabalhar para que o ensino profissional se possa alicerçar como uma resposta capaz a muitos dos estudantes que terminam o ensino básico e que querem procurar nas vias profissionalizantes uma forma de terem a dupla certificação", vincou.

Sobre o preconceito que ainda possa existir em torno do ensino profissional, o ministro disse que tem sido feita uma "campanha enorme de sensibilização".

"Ainda ontem [segunda-feira] se celebrou o Dia do Ensino Profissional, onde juntámos 5000 estudantes" no estádio do Jamor, em Oeiras, e onde estiveram também presentes encarregados de educação.

Para o ministro, "é importante" deixar a mensagem de que "o ensino profissional é uma via de ensino capaz, completamente abrangente e que permite aos alunos várias perspectivas e várias vias de futuro".

Por um lado, podem ir para o ensino superior de "forma plena" e, por outro lado, podem adquirir qualificações para "enfrentarem o mercado de trabalho".

"A estigmatização que acontecia no passado tem vindo a esbater-se de forma positiva e muitos dos pais, mas também muitos dos reitores das universidades e presidentes dos institutos politécnicos" consideram o ensino profissional como "uma mais-valia".

Também os empregadores, a indústria, as empresas e as instituições de ensino superior receptoras destes alunos reconhecem a sua "bagagem académica" e o seu "percurso escolar que lhes permite dar resposta a todas as vicissitudes", frisou Tiago Brandão Rodrigues. 

Sugerir correcção