Trump não gostou da sátira de Snoop Dogg onde "Klump" leva um tiro

O Presidente norte-americano não gostou do mais recente vídeo do rapper californiano e volta a utilizar o Twitter.para criticar um artista.

Foto
Em Lavender, Ronald Klump mora na Casa dos Palhaços. DR

O mais recente vídeo do rapper norte-americano Snoop Dogg, lançado este domingo, já mereceu uma resposta da Casa Branca, retratada como a "Casa dos Palhaços" em Lavender, na versão remisturada pelos BadBadNotGood. No clipe que aborda o problema da violência policial e da perseguição aos imigrantes numa vesão circense dos Estados Unidos, o músico é visto disparar uma arma (da qual sai um cartoonesco “bang!”) contra o Presidente Ronald Klump, facilmente identificável como uma caricatura de Donald Trump.

No Twitter, como tem sido habitual, Trump criticou o artista e invocou o seu antecessor na Casa Branca: “Conseguem imaginar o alarido que seria se Snoop Dogg, [com a] carreira falhada em tudo, tivesse apontado e disparado uma arma contra o Presidente Obama? Tempo de prisão!”

Aqui, diga-se, não é claro se é Trump a sugerir que o rapper merecia cumprir uma pena de prisão ou se o Presidente sugere que o antecessor Barack Obama colocaria Snoop Dogg na cadeia. Em todo o caso, como nota a rádio pública NPR, a Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos protege todo o tipo de sátira no âmbito da liberdade de expressão, pelo que nem Obama nem Trump poderiam processar o músico.

A mensagem desta quarta-feira foi publicada não apenas na conta pessoal de Trump, mas posteriormente escrita também na conta oficial do Presidente. O veredicto de Trump foi publicado apenas minutos antes de o líder norte-americano ter negado a veracidade das notícias sobre a sua declaração de impostos (avançada pela Casa Branca). Mais uma vez, há quem acuse o Presidente de tentar desviar as atenções ao criar novas controvérsias.

Trump não foi o primeiro a criticar o vídeo. Também o senador republicano Marco Rubio já tinha condenado o tom da sátira. “Já tivemos presidentes assassinados no nosso país, por isso isto é algo com que nos devemos preocupar”, sublinhou, numa referência aos assassínios de John F. Kennedy ou de Abraham Lincoln. Se “a pessoa errada vê isto e fica com uma ideia errada, podemos ter um problema sério”, alertou o antigo candidato às primárias norte-americanas, citado pela Associated Press. Também Ted Cruz, que não viu ainda o vídeo, considera de “mau gosto fazer piadas sobre o assassínio de algum, em particular do assassínio do Presidente”, cita a Pitchfork.

Esta não é a primeira vez que Trump reage no Twitter às sátiras de que é alvo por parte de humoristas ou músicos. A sua caricatura protagonizada pelo actor Alec Baldwin no programa televisivo Saturday Night Live é frequentemente condenada pelo líder norte-americano. Um hábito que começou muito antes da campanha presidencial e que Trump não abandonou quando foi eleito.

Nota: O título deste artigo foi alterado às 18h54