Salvador Sobral vai “amar pelos dois” e cantar por Portugal na Eurovisão

O tema que Luísa Sobral compôs para o irmão cantar no Festival da Canção foi o vencedor da 51.ª do histórico concurso da RTP. “Simplicidade” foi a palavra-chave do sucesso de Amar pelos dois, que segue viagem para a Ucrânia.

Salvador e Luísa Sobral juntaram-se em palco para celebrar a vitória e cantar em conjunto
Salvador e Luísa Sobral juntaram-se em palco para celebrar a vitória e cantar em conjunto RTP
O momento em que foi anunciado o vencedor
O momento em que foi anunciado o vencedor RTP
Celina da Piedade
Celina da Piedade RTP
Jorge Benvinda
Jorge Benvinda RTP
Lena d'Água
Lena d'Água RTP
Fernando Daniel
Fernando Daniel RTP
Salvador Sobral
Salvador Sobral RTP
Tatanka, Miguel Ângelo, NBC, Rita Guerra, Marta Hugon e Susana Félix cantaram clássicos do Festival da Canção
Tatanka, Miguel Ângelo, NBC, Rita Guerra, Marta Hugon e Susana Félix cantaram clássicos do Festival da Canção RTP
Filomena Cautela, Sílvia Alberto e Catarina Furtado foram as apresentadoras do concurso
Filomena Cautela, Sílvia Alberto e Catarina Furtado foram as apresentadoras do concurso RTP
O coliseu dos Recreios encheu-se de figuras da televisão também para celebrar os 60 anos da estação pública
O coliseu dos Recreios encheu-se de figuras da televisão também para celebrar os 60 anos da estação pública RTP
Fotogaleria

“Eu sei que não se ama sozinho” cantava Salvador Sobral e, neste caso, não esteve realmente só: a sua canção foi a preferida do júri e a segunda mais votada pelos telespectadores, conquistando o primeiro lugar da 51.ª edição do Festival da Canção. Amar pelos dois, tema composto por Luísa Sobral, irmã do intérprete, foi o escolhido na noite deste domingo, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, para representar Portugal na primeira meia-final do concurso da Eurovisão, que acontecerá em Kiev, na Ucrânia, a 9 de Maio.

“O que funcionou neste tema – para além da interpretação do meu irmão – foi a sua simplicidade”, acredita Luísa Sobral, acrescentando que a “canção foi ganhando vida própria”. Em resposta às críticas de que o tema não se enquadrava nos critérios festivos da competição internacional, Salvador Sobral diz que a sua missão na capital ucraniana é fazer com que as pessoas sintam a canção da mesma forma que ele próprio a sentiu quando a ouviu pela primeira vez. “Vou passar sentimentos às pessoas, é isso que vou fazer”, garante.

Depois de a canção ter sido eleita vencedora, os irmãos Sobral partilharam o palco e cantaram em conjunto para fechar o festival. Ainda assim, garantem que em Kiev só Salvador cantará, até porque “não é permitido” que cantem os dois.

“Cantar para um coliseu cheio foi uma sensação incrível”, admite o vencedor do Festival da Canção, que tem sofrido de algumas complicações de saúde. “Se eu desmaiar, não levem a mal”, brincava Salvador no início da entrevista. O cantor foi submetido a uma cirurgia no dia 22 de Fevereiro, pelo que diz terem sido dias complicados. “Fisicamente, [a actuação] foi das coisas mais difíceis, mas quando estou em palco desaparece tudo.”

A final do Festival da Canção decorreu na noite deste domingo, e foi transmitida em directo a partir do Coliseu dos Recreios, numa emissão que celebrou também os 60 anos da RTP.

Catarina Furtado, que apresentou a emissão lado-a-lado com Sílvia Alberto, considera que o facto de serem “duas mulheres a apresentar o festival foi muito inovador” (nunca tinha acontecido), mas “levou meses de preparação” para que fosse possível o duplo-pivô. Ao longo do programa, juntaram-se às apresentadoras outras caras conhecidas da RTP, como Jorge Gabriel, Fátima Campos Ferreira, Carlos Daniel ou Vasco Palmeirim.

Esta edição marcava o regresso do Festival da Canção, depois de um hiato em 2016, com a promessa de maior diversidade musical e algumas novidades. Entre elas, a possibilidade de levar a concurso canções integralmente escritas em inglês; no entanto, dos oito temas finalistas, só Pedro Gonçalves cantou na língua ânglica. Os irmãos Sobral dizem que cantar em inglês não faria sentido, já que a “poesia não se traduz”, explica a compositora da música vitoriosa. E se os europeus não compreenderem o que é cantado? Luísa Sobral responde: “A maneira como o Salvador canta e a melodia e harmonia valem por si, transcendem a letra”.

A escolha da canção vencedora foi feita através de duas votações: uma por televoto e outra por parte do júri, ambas a valer 50%.

As votações por telefone estiveram abertas desde o início da semana passada, depois de ter sido conhecida a segunda vaga de finalistas, e encerraram pouco antes das doze badaladas da noite da gala. A canção preferida dos telespectadores foi a dos Viva La Diva, Nova glória; em segundo lugar ficou Salvador Sobral; em terceiro, Don’t walk away, cantada por Pedro Gonçalves.

Por outro lado, o júri era constituído por 21 jurados, representativos das sete regiões de Portugal (Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo, Algarve, Açores e Madeira). A canção Amar pelos dois foi a preferida de cinco júris regionais e a segunda mais votadas pelos jurados das outras duas – Lisboa e Vale do Tejo, que preferiu a música Nova glória; e o Algarve, que atribuiu a pontuação máxima a Pedro Gonçalves.

Os primeiros quatro finalistas – em que se incluía Salvador Sobral – tinham sido definidos na primeira meia-final, a 19 de Fevereiro, e os restantes quatro na segunda meia-final, a 25 de Fevereiro. Durante a cerimónia, foi anunciado que as 16 músicas que estiveram inicialmente a concurso no Festival da Canção ficarão compiladas num álbum.

As canções vencedoras

1. Amar pelos dois

Intérprete: Salvador Sobral. Composição: Luísa Sobral.

2. Nova Glória

Intérprete: Viva La Diva (Kika Cardoso, Luís Peças e João Paulo Ferreira). Composição: Nuno Gonçalves.

3. Primavera

Interpretação e composição: Celina da Piedade.

4. Gente bestial

Intérprete: Jorge Benvinda. Composição: Nuno Figueiredo.

5. Poema a dois

Intérprete: Fernando Daniel. Composição: Nuno Feist.

6. Don’t walk away

Intérprete: Pedro Gonçalves. Composição: João Pedro Coimbra.

7. Nunca me fui embora

Intérprete: Lena d’Água. Composição: Pedro da Silva Martins.

8. O que eu vi nos meus sonhos

Intérprete: Deolinda Kinzimba. Composição: Rita Redshoes.