Casa Branca pede ao Congresso para investigar se Obama escutou Trump

Administração Trump insiste, depois de porta-voz de Obama ter desmentido qualquer vigilância ao então candidato.

Foto
Reuters/POOL

A Casa Branca pediu neste domingo ao Congresso americano para investigar se a administração de Barack Obama abusou dos seus poderes na campanha de 2016, noticia a Reuters.

Este pedido surge depois de no sábado Donald Trump ter escrito no Twitter que os seus escritórios na Trump Tower, em Nova Iorque, tinham sido colocados sob escuta por Barack Obama. O Presidente dos EUA não apresentou qualquer prova que sustentasse a acusação.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse que a Administração Trump não se voltará a manifestar sobre o assunto das escutas até que o Congresso conclua a investigação.

“As notícias de investigações relativas a potenciais motivações políticas mesmo antes das eleições de 2016 são muito preocupantes”, afirmou Spicer em comunicado.

Para que pudessem ter sido colocadas escutas na Trump Tower, um tribunal federal teria de, segundo a lei norte-americana, considerar provável que o alvo das escutas fosse um “agente de uma potência estrangeira”.

Mas a acusação de Trump foi prontamente desmentida pelo porta-voz de Barack Obama, Kevin Lewis, que declarou que as acusações de Trump são “falsas” e que “nem o Presidente Obama nem nenhum funcionário da Casa Branca” puseram sob escuta qualquer cidadão norte-americano.

“Terrível! Acabo de descobrir que Obama tinha os meus telefones na Torre Trump sob escuta mesmo antes da vitória. Não encontraram nada. Isto é Macartismo!”, escreveu o Presidente norte-americano, referindo-se ao seu antecessor, Barack Obama.

Acossado pela oposição democrata, Trump parece ter passado agora o contra-ataque para o Twitter. Que provas terá contra Barack Obama e a sua equipa? Não se sabe, já que o Presidente não faz sequer menção de levantar o véu sobre quaisquer informações eventualmente comprometedoras para a anterior Administração, mas isso não o impede de escrever coisas como “Quão longe desceu o Presidente Obama para pôr o meu telefone sob escuta durante o muito sagrado processo eleitoral. Isto é Nixon/Watergate” ou “É legal um Presidente em funções pôr ‘sob escuta’ uma corrida presidencial […]?”.

Horas depois destas acusações, o porta-voz de Barack Obama, Kevin Lewis, declarou que as acusações de Trump são “falsas” e que “nem o Presidente Obama nem nenhum funcionário da Casa Branca” puseram sob escuta qualquer cidadão norte-americano. 

Num comunicado partilhado no Twitter, Kevin Lewis referiu ainda que uma das principais regras da Administração Obama era a da não interferência em qualquer investigação conduzida pelo Departamento de Justiça. O porta-voz sublinha que nem Obama nem qualquer funcionário da Casa Branca alguma vez procederam à vigilância de qualquer norte-americano. “Qualquer sugestão em contrário é simplesmente falsa”, conclui.

Sugerir correcção