Há mais contra Centeno, avisa Lobo Xavier

Advogado e amigo de António Domingues diz haver troca de informação que mostra intencionalidade das Finanças. E "vai correr mal", avisou na SIC Notícias.

Foto
fvl Fernando Veludo/NFACTOS

António Lobo Xavier, ex-dirigente do CDS e amigo de António Domingues, diz saber que "há uma troca abundante de mensagens, de textos, de papéis, sobre a evolução das conversas, das negociações" entre o ex-presidente da CGD, seus advogados e o Governo sobre como excluir os administradores do banco público da entrega de declarações de património no TC. "Não vai acabar bem", disse na SIC Notícias.

Essa troca de correspondência, anterior à posse de Domingues, refere-se garantiu o advogado  ao "que é preciso fazer, de diligências, de como é que se muda a lei, se será suficiente, se não será, e o Tribunal Constitucional e o primeiro-ministro, etc.(...) O Ministério entende que não houve troca”, mas “obviamente que há uma correspondência a montante sobre isso, eu próprio já falei, e os jornais não trazem tudo”.

Lembrando que “o CDS fez novo requerimento sendo mais específico, pedindo não só correspondência eletrónica mas também SMS”, o comentador da Quadratura do Círculo deixou nas entrelinhas que essas trocas de comunicação demonstrarão que a escolha de mudar apenas o Estatuto de Gestor Público foi consciente (deixando a descoberto a lei de 1983 que acabou por ser determinante na obrigação de entrega de declarações).

“Os técnicos de ambos os lados foram discutindo sobre se bastaria ou não alterar o Estatuto do Gestor Público e optaram por essa via porque essa alteração era da competência do Governo. E foram discutindo e trocando mensagens sobre essa situação. Não foi possível, correu mal”, disse Lobo Xavier.