Funcionário do SIS detido em Roma continua em prisão domiciliária

Agente foi detido a 21 de Maio, em flagrante delito, a vender informações da NATO a um espião russo.

Em causa estão crimes de espionagem, violação de segredo de Estado, corrupção e branqueamento relacionados com suspeitas de transmissão de informações, a troco de dinheiro
Foto
Em causa estão crimes de espionagem, violação de segredo de Estado, corrupção e branqueamento relacionados com suspeitas de transmissão de informações, a troco de dinheiro DANIEL ROCHA

O funcionário do SIS Carvalhão Gil, detido em Maio em Roma por alegada espionagem e violação de segredo de Estado e outros crimes, continua em prisão domiciliária, após o Tribunal da Relação de Lisboa ter hoje rejeitado o recurso.

Segundo uma nota do TRL, enviada à Lusa, "foi mantida a medida de coacção de obrigação de permanência na habitação, tendo sido julgado improcedente o recurso".

O agente do SIS foi detido em Roma, a 21 de Maio, em flagrante delito, a vender informações da NATO a um espião russo, detentor de passaporte diplomático, no âmbito de uma investigação que envolveu o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), a Polícia Judiciária, que deslocou investigadores a Itália, e a EUROJUST.

Em causa estão crimes de espionagem, violação de segredo de Estado, corrupção e branqueamento relacionados com suspeitas de transmissão de informações, a troco de dinheiro, por parte do funcionário do SIS ao agente dos serviços de informações russos.