Promoções: Portugal acima da média europeia

Em 2016 atingiu-se um novo recorde: 44% das vendas foram feitas com desconto. Em 2008, a percentagem era de 21%, o valor médio da União Europeia

Promoções levam a menos fidelização do consumidor
Foto
Promoções levam a menos fidelização do consumidor Pedro Cunha/Arquivo

A crise financeira e a chegada da troika em 2011 mudaram de forma profunda a forma como os portugueses consumiam e, com menos rendimento, os descontos e as promoções passaram a ser essenciais na hora de comprar. Mas com o mercado a dar, agora, sinais de crescimento mais estável, surgem outros desafios para as empresas.

Ana Paula Barbosa, directora na Nielsen, empresa de estudos de mercado, acredita que tanto o retalho alimentar, como a indústria terão, agora, de fidelizar o consumidor. “Nos últimos anos tivemos uma intensificação da actividade promocional e está a ser muito difícil sair desta situação – estamos num nível muito elevado face à Europa. Isto faz com que o consumidor seja menos fiel” [às marcas e às lojas], diz.

De acordo com a Nielsen, nunca houve tantas promoções em Portugal: 2016 foi mais um ano recorde, com 44% das vendas dos hipers e supermercados a serem feitas com desconto. Em 2008 essa percentagem era de apenas 21%, um valor “mais normal e próximo do que se vê na União Europeia”.

“Os portugueses estão, de facto, viciados em promoções, mas há que procurar novas formas de desviar a atenção e fazer promoções que não tenham apenas a ver com o benefício ‘preço’. Temos visto acções de marketing com coleccionáveis que tiveram sucesso e que não tinham como objectivo uma redução de preço”, analisa Ana Paula Barbosa.