“Se a economia crescer a Segurança Social é sustentável”

"O principal aqui é fazer crescer a economia. Se a economia crescer, o emprego aumenta e a Segurança Social é sustentável, se a economia não crescer, é o contrário”, conclui Correia de Campos.

Fotogaleria
Correia de Campos durante a entrevista ao Público e à Rádio Renanscença Daniel Rocha
Fotogaleria
O presidente do Conselho Económico e Social não vê necessidade de uma reforma profunda da Segurança Social Daniel Rocha

António Correia de Campos liderou o grupo de especialistas que nos anos 90 produziu o Livro Branco da Segurança Social. O agora presidente do Conselho Económico e Social (CES) desconfia da necessidade de uma reforma profunda da Segurança Social e lembra que a sua sustentabilidade está assegurada se houver crescimento da economia e do emprego.

“Todos aqueles que entendem que é urgente uma grande reforma da Segurança Social, do que se trata é de uma reforma do financiamento, não da Segurança Social”, explica o antigo ministro da Saúde do PS, criticando “aqueles que entendem que é necessária essa reforma e que estiveram no Governo durante anos seguidos e não a fizeram”.

Correia de Campos critica também aqueles que chama de “arautos interessados em destruir a credibilidade e a sustentabilidade teórica da Segurança Social”, lembrando que até a União Europeia reconhece que a Segurança Social que temos, “com as reformas feitas em 2007, acrescentaram sustentabilidade ao sistema”.  

Mas o argumento mais importante, neste momento, explica o mesmo especialista, “é o desenvolvimento económico". "Verificamos que o aumento do emprego traz um aumento imediato de receitas para a Segurança Social. E isso é o que é importante, o aumento do emprego. O principal aqui é fazer crescer a economia. Se a economia  crescer, o emprego aumenta e a Segurança Social é sustentável, se a economia não crescer, é o contrário”, conclui.