Miguel Lobo Antunes vai reformar-se e sai da Culturgest em 2017

O administrador faz 70 anos em Dezembro do próximo ano e diz que "é altura de entrar sangue novo".

Foto
Miguel Lobo Antunes na Culturgest em Lisboa João Henriques/Arquivo

Miguel Lobo Antunes, administrador da Culturgest, a fundação da Caixa Geral de Depósitos (CGD) que gere um centro cultural, vai pedir a reforma e planeia sair em Março ou Abril do próximo ano. A notícia foi avançada pela agência Lusa e confirmada ao PÚBLICO pelo gestor cultural.

Miguel Lobo Antunes, que faz 70 anos em Dezembro do próximo ano e está na Culturgest desde 2004, acha que está na administração há muito tempo e que “é altura de entrar sangue novo”. A reforma será pedida quando entrar a nova administração da CGD, explicou ao PÚBLICO, e Miguel Lobo Antunes ainda não tem outros planos para o futuro. Apesar de legamente poder ser reconduzido, o gestor está decidido a sair, lembrando que em 2018 a Culturgest completa 25 anos e é tempo de começar outro ciclo. 

A Culturgest tem um orçamento anual de três milhões de euros, usando 1,2 milhões para programação cultural. Além de Lobo Antunes, que faz a coordenação e a programação de música, conferências e cinema, o centro cultural da CGD tem como programadores Delfim Sardo (artes plásticas), Francisco Frazão (teatro) e Gil Mendo (dança). As principais instalações da Culturgest são em Lisboa, mas a fundação também tem um espaço no Porto, na Avenida dos Aliados.

O mandato actual terminou em Dezembro de 2014, mas esta administração tem-se mantido em funções. O conselho de administração da Fundação Culturgest é presidido por Álvaro José do Nascimento e conta com Miguel Lobo Antunes e Margarida Santos Ferraz como vogais.

Entre 1996 e 2001, Lobo Antunes ocupou as mesmas funções no Centro Cultural de Belém. 

Sugerir correcção