Cinema Trindade vai reabrir com programação diária na Baixa do Porto

Casa centenária vai entrar na quarta etapa de sua história. Será mais um passo para a revitalização do centro da cidade.

Fotogaleria
Velhas bilheterias das salas-estúdio do Trindade Paulo Ricca/Arquivo PÚBLICO
Fotogaleria
O Salão Jardim da Trindade foi inaugurado no dia 14 de Junho de 1913, com uma sala de espectáculos, salão de festas, café com bilhares e ainda um terraço Hugo Santos

A Baixa do Porto vai voltar a ter diariamente cinema, com a reabertura das duas salas-estúdio do Cinema Trindade, desactivadas desde o final de 2000.

Guardando os detalhes da programação para uma apresentação pública a realizar, em Outubro, em conjunto com a Câmara Municipal do Porto, Américo Santos, da distribuidora Nitrato Filmes, confirmou ao PÚBLICO a conclusão de um acordo com a Empresa do Cinema Trindade e com a autarquia que vai permitir o regresso desta histórica casa de espectáculos ao cartaz cinematográfico da cidade.

“Vamos ser a parte nova de um eixo formado com o Cinema Passos Manuel e com o Teatro Rivoli na Baixa, mas seremos a única casa a passar exclusivamente cinema, e diariamente”, explicou este cineclubista e fundador do Festival de Cinema Luso-Brasileiro da Feira.

Fonte da autarquia confirmou também o seu envolvimento neste projecto com o objectivo de revitalizar a Baixa de uma forma integrada e envolvendo vários espaços, mas remeteu mais explicações para data posterior.

Actualmente estão a ser finalizadas obras de readaptação das duas salas, nomeadamente a criação dos requisitos exigidos pela legislação actual no que diz respeito ao acesso a deficientes, e também a instalação de novos equipamentos de projecção. “Vamos ter o sistema DCP de projecção digital de última geração”, realça Américo Santos, dizendo que, por outro lado, as salas vão manter as mesmas características e as lotações – 183 e 168 lugares – resultantes da última remodelação. Realizada em 1992, esta mais recente intervenção no Trindade foi feita sob a orientação do arquitecto Bento Lousã e consistiu em adaptar a ampla sala de cinema de quase 1200 lugares ao funcionamento de um bingo e à criação de duas salas-estúdio, que viriam a funcionar apenas até 31 de Dezembro de 2000.

Uma espécie de cinemateca

A programação das duas salas vai contemplar, numa delas, a exibição de filmes em estreia, acompanhando o roteiro cinematográfico do país; a segunda ficará destinada a uma programação paralela, com ciclos, mostras e o acolhimento de programas como as festas do cinema francês e do cinema italiano, por exemplo. “Vamos também convidar programadores, da cidade, do país e também de fora, a apresentar as suas ideias próprias sobre o cinema; a nossa ideia é ter uma espécie de cinemateca, com a preocupação de formar públicos e de corresponder às expectativas dos espectadores de todas as idades”, diz Américo Santos.

Na base deste projecto de fazer regressar o Trindade ao cartaz diário da cidade do Porto está a distribuidora Nitrato Filmes, que Américo Santos fundou em Santa Maria da Feira em 2012, e que inicialmente privilegiou a distribuição de cinema brasileiro, em ligação com o festival que anualmente se vem realizando naquela cidade. “Desde o início, sentimos grande dificuldade em encontrar salas para os nossos filmes, porque, em Portugal, a exibição está muito afunilada e controlada por empresas que são simultaneamente distribuidoras e exibidoras”, acrescenta o distribuidor.

Com o Trindade, que “é uma sala histórica e com boas condições”, a Nitrato Filmes vai passar a ter dois ecrãs para exibir os seus filmes, mas também para programar a pensar em reactivar uma zona da cidade desertificada, principalmente à noite.

Sem avançar títulos da programação que está a ser preparada, nem sequer ainda a data exacta da reinauguração das duas salas, Américo Santos divulga apenas que no projecto está reabrir uma delas com a estreia nacional de um filme que foi rodado na cidade no início do ano passado, Porto, do premiado realizador brasileiro Gabe Klinger (autor do documentário de Double Play: James Benning and Richard Linklater, 2013), e que recentemente foi apresentado no Festival de Cinema de San Sebastian, em Espanha.

Casa centenária

Com a prometida reabertura das suas salas-estúdio, o Trindade vai entrar na quarta etapa da sua história já centenária. O Salão Jardim da Trindade foi inaugurado no dia 14 de Junho de 1913, com uma sala de espectáculos, salão de festas, café com bilhares e ainda um terraço. O cartaz da inauguração incluiu já cinema, e seria a transformação deste – à época –jovem invento num espectáculo verdadeiramente popular que levou a Empresa do Cinema Trindade a promover uma grande remodelação arquitectónica, em 1957, com os arquitectos Viana de Lima e Agostinho Ricca a transformarem a casa numa ampla plateia e balcão de cinema.

A crise da Sétima Arte, que se agudizou na décadas de 70/80, levou a nova intervenção, em 1992, desta vez a subdividir o Trindade numa sala de bingo (ainda em funcionamento) e em dois cinemas-estúdio – os tais que não conseguiram, mesmo assim, sobreviver ao abandono da Baixa por parte dos portuenses, tendo encerrado a exibição no final do ano 2000, só reabrindo para eventos esporádicos, como o ciclo de cinema documental com que o Bloco de Esquerda assinalou os 40 anos do 25 de Abril, em 2014.